Mais um ano se passa e, com isso, as festividades novamente se aproximam. 2019, claramente, foi um ano bastante intenso, desde impactantes lançamentos de filmes até as notícias mais espalhafatosas do cinema e do mundo. O Natal, entretanto, se mostra uma boa oportunidade para se relaxar e começar a aproveitar mais um final de ano. A equipe do Super Cinema UP, assim, fez uma lista com seis filmes inesquecíveis de temática natalina para se assistir nesse final de ano. Confira a seguir:

1 – Klaus (2019)

Recentemente lançado na Netflix, Klaus é um longa-metragem de animação que busca trazer uma fantasiosa visão sobre a origem do Papai Noel. Seguindo o protagonista Jesper, um recém chegado carteiro em uma cidade que vive constantemente em guerra, a trama mostra seu encontro com um velho e solitário senhor, conhecido como Klaus, e a percepção de que, juntos, são os únicos que podem acabar com a rivalidade daquele povo e trazer felicidade para suas crianças. Com uma estética extremamente bela e diversas mensagens e reflexões trazidas ao espectador, a animação encanta e emociona desde crianças até adultos com sua comovente e fantasiosa história, abordando o espírito natalino de forma criativa e inteligente. Você pode conferir a crítica do filme na íntegra aqui. – Leonardo Lopes

 

2 – Simplesmente Amor (2003)

“Pulp Fiction para garotas” é como muitas pessoas definem Simplesmente Amor, todavia o longa não se resume a histórias paralelas com um desfecho comum, já que ele usa esse recurso para ir além, mostrando todas as faces do amor. Escrito e dirigido por Richard Curtis, “Simplesmente Amor” escolhe a época mais romântica do ano para mostrar como o amor está presente em todos os tipos de relações. O grande trunfo do filme é que ele transcende o amor entre casais, mostrando amor entre irmãos, pais, filhos e amigos. Em uma época que vivemos imersos em tanto ódio, talvez a melhor coisa seja resgatar o amor em nossas relações, sem medo de ser cafona. “Só porque é Natal”. – Felipe Daun

 

3 – Expresso Polar (2004)

Esse longa que apesar de simples, é muito tocante, é quase que obrigatório quando se trata de produções natalinas. É véspera de Natal e um garotinho cheio de dúvidas, não acredita mais em Papai Noel. De repente durante a noite, ele escuta um barulhento trem parando em frente à sua casa. A partir daí, ele embarca junto de outras crianças em uma viagem ao Polo Norte e com isso, descobre que a verdadeira magia do Natal nunca morrerá nos corações de quem realmente acredita.  – Laura Castro 

 

4 – Os Fantasmas de Scrooge (2009)

Charles Dickens é um poderoso nome quando o assunto é romance. Apesar de marcado por obras como “Oliver Twist” (1837) e “Hard Times” (1854), sua escrita mais notória para o cinema foi “Um Conto de Natal” (1843), que dentre as centenas de adaptações, ganhou uma animação de captação de movimento aos toques do aclamado Robert Zemeckis. Com uma tecnalidade superior a “O Expresso Polar”, o cineasta se deleita na fantasia para retratar a história do amargo senhor Scrooge e encanta ao demonstrar a importância do espírito natalino, mesmo para o coração mais sombrio já representado. Através das captações realistas de um elenco marcado por grandes nomes, Zemeckis explora uma narrativa rica com seus encantos e pavores. Com análises e toques sutis – e outros duros – quanto nossos tratamentos sociais, Os Fantasmas de Scrooge acaba se provando uma poderosa ferramenta de empatia e respeito, tudo o que o Natal representa e precisa ser. – Guilherme Pin

 

5 – Duro de Matar (1988)

Já considerado um verdadeiro clássico dos filmes de ação, um dos pontos mais interessantes do filme se refere aos eventos ocorridos em uma confraternização de Natal. Com cenas cômicas de Bruce Willis que dá vida ao policial John McClane e boas atuações como a do eterno Alan Rickman, O filme também traz uma trilha sonora bem peculiar com alguns trechos bem natalinos, sem falar dos inúmeros “Feliz Natal!” ditos entre os personagens ao longo do filme. Por falar em frases natalinas, um destaque para a inesquecível fala engraçada do personagem principal (versão dublada) na cena onde o mesmo está passando pelos dutos de ar, onde o mesmo diz com tom sarcástico: “E lá na chaminé apareceu o Papai Noel cheio de presentes!”. – Anderson Costa

 

6 – Esqueceram de Mim 2 – Perdido em Nova York (1992)

A continuação do clássico dos anos 90 traz novamente Kevin McCallister, vivido por Macaulay Culkin, dessa vez esquecido na Big Apple americana. Se no primeiro filme ele aprendeu a lição de que era muito melhor estar do lado dos seus muitos irmãos e familiares do que sozinho. No segundo filme, ele tem uma lição importante sobre os valores do Natal ao perceber as diferenças sociais entre ele e outras crianças que sequer tem presentes pra ganhar ou uma ceia ao lado da família. Desde a amizade improvável com uma moradora de rua, que muda tudo para o garoto, ele tem um novo embate contra os “bandidos molhados” a lição que Kevin aprende é que o natal não está na riqueza dos presentes e sim nas demonstrações de amor. Outro destaque são suas aventuras no Hotel Plaza fugindo dos funcionários na icônica cena onde ele deixa a TV com volume alto e os funcionários pensam que se trata de um mafioso. Uma geração de crianças cresceu junto com Kevin desejando um “Feliz Natal seu animal imundo”. – Leonardo Vieira

Menção Honrosa: Segunda Chance Para Amar

Vá ao cinema! Ir no cinema assistir à um filme natalino também pode ser uma ótima opção, e Segunda Chance Para Amar te dá essa oportunidade. O filme, estrelado por Emilia Clarke, é uma leve e doce comédia romântica que ressalta a importância do amor próprio. Com um humor equilibrado e com intenso clima natalino, a trama conta a história de Kate, uma moça que trabalha em uma loja de decorações natalinas e que vive infeliz e sempre sabotando a si mesma; as coisas começam a mudar, entretanto, quando conhece Tom, sendo apresentada à uma nova forma de admirar a vida e a si própria. A obra é, certamente, um grande amontoado de clichês, se tornando uma comédia água com açúcar, mas que ainda assim consegue encantar o público com sua sensibilidade. Confira a crítica do filme aqui.