SINOPSE

O filme destrava o mundo secreto nunca antes visto dentro de seu smartphone. Escondido dentro do aplicativo de mensagens há Textopolis, uma cidade movimentada onde todos os seus emojis favoritos vivem, na esperança de ser selecionado pelo usuário do telefone. Neste mundo, cada emoji tem apenas uma expressão facial, exceto Gene, um emoji exuberante que nasceu sem filtro e está repleto de múltiplas expressões. Determinado a tornar-se “normal” como os outros emojis, Gene pede a ajuda de seu melhor amigo, Hi-5, e a notória disjuntor de código emoji, Jailbreak. Juntos, eles embarcam em um épico “app-venture” através dos aplicativos no telefone, cada um do seu próprio mundo selvagem e divertido, para encontrar o código que irá corrigir Gene. Mas quando um perigo maior ameaça o telefone, o destino de todos os emojis depende desses três improváveis amigos que devem salvar seu mundo antes dele ser apagado para sempre.

FICHA TÉCNICA

Direção:

Tony Leondis

Roteiro:

Tony Leondis, Eric Siegel, Mike White

Gênero:

Comédia, Aventura

Produção:

Sony Pictures Animation

Elenco:

T.J. Miller, T.J. Miller, Anna Faris

Nacionalidade:

EUA

Ano de Produção:

2017

Data de Lançamento:

31/08/2017

Distribuição:

Sony Pictures

CLASSIFICAÇÃO

Direção:

Roteiro:

Fotografia:

Trilha-Sonora:

Efeitos Visuais:

Efeitos Especiais:

Direção de Arte:

Elenco:

Montagem:

Figurino:

Item não avaliado

Maquiagem:

Item não avaliado

Garanto que há 10 anos seria impensável a existência de um longa-metragem inteiramente dedicado aos símbolos de texto que conhecemos como emojis. Mesmo com seu espantoso crescimento com o passar dos anos – se tornando uma ferramenta de comunicação rápida e visual – seria preciso muita criatividade para conseguir se contar uma história interessante, sendo sustentada apenas pelos simples (embora carismáticos) símbolos. Ou será que o x da questão aqui seria justamente a falta de criatividade em Hollywood?  

Criados no Japão no final da década de 90, os emojis foram idealizados justamente para abreviar conversas por texto. A título de curiosidade, o nome é derivado da junção dos termos “e” (imagem) e “moji” (letra). Em 2015, o dicionário de Oxford nomeou o emoji do sorriso com lágrimas (aquele mais usado) como a “palavra do ano” (estou falando sério). Mas, então, o que o filme nos oferece?

Primeiramente, ele é exibido após um curta-metragem derivado de “Hotel Transilvânia” chamado Puppy. Diga-se de passagem, por incrível que pareça o curta consegue ser mais interessante do que o próprio filme principal. Escrito – com o auxílio de mais 3 roteiristas (?!) – e dirigido por Tony Leondis (“Lilo e Stitch 2”), o filme conta a história de Gene, um emoji que deveria ficar o tempo inteiro com a carinha de desprezo (meh, no filme), mas que por estar nervoso antes da sua primeira mensagem no celular do garoto Alex, entra em pânico e faz com que a mensagem seja enviada com um significado diferente do esperado.

Obviamente, esse é um erro grave, pois cada emoji tem sua própria expressão que precisa ser respeitada, e caso erros como esse aconteçam, o celular corria o risco de ser levado pelo dono para o conserto, restaurando o sistema e apagando todos os emojis e aplicativos instalados. Gene acha que falhou porque nasceu com algum defeito e para escapar de ser deletado pela líder dos emojis, Smiler, foge do aplicativo onde vive em busca de um hacker que possa reprogramá-lo, nem que precise atravessar o celular inteiro para isso.

 

Olhando assim, a premissa não parece tão ruim. Na verdade, poderíamos estar diante de uma bela jornada de autodescoberta, elemento-chave em várias grandes animações da Pixar/Disney e etc. Infelizmente, “Emoji: o Filme” desperdiça sua premissa ao não demonstrar interesse algum em aprofundar o desenvolvimento do seu protagonista, e ainda toca de maneira extremamente superficial e negligente em outros temas, como o vício em tecnologia ou até (acreditem) feminismo.

 

No discurso inicial do filme, surge até uma esperança, quando dois alunos andando e olhando para o celular se esbarram e caem. “As crianças vão aprender que ficar o dia inteiro no celular não faz bem” – você pensa. Só que não! Logo em seguida, esse tema do “mundo real” é completamente esquecido e 90 por cento da trama se passa dentro do celular de Alex – onde vivem Gene, sua família e os outros emojis e aplicativos – em uma verdadeira propaganda para as grandes empresas, como Youtube, Spotify e afins. Sabemos como a Sony adora um product placement.

Quanto ao feminismo, em determinado ponto da trama, Jailbreak (Rebelde, na versão dublada) se une a Gene e Hi-5 (a mãozinha) na missão de conseguir consertar o protagonista. Uma de suas primeiras frases marcantes surge quando ela tem uma ideia, mas que precisa ser executada por um dos rapazes. “Mas não vá levar os créditos pela minha ideia, como os homens sempre fazem” – ela diz. “Eu não preciso de nenhum príncipe encantado” – em outro momento.

No entanto, essa crítica (justificada) que a personagem faz, nunca é sustentada ao longo de todo o filme, pois ocorre justamente o oposto do que ela defendia na maioria das vezes. E alguém duvida que haverá um interesse romântico entre ela e Gene? O filme não é nem um pouco sutil ao demonstrar isso várias e várias vezes… O grande problema de “Emoji: o Filme” é que ele não passa de uma ideia muito mal imaginada e precariamente executada, pelo menos no sentido narrativo.

É claro que qualidades existem. O humor é muito bobo, verdade, mas a cada dez piadas estilo “é pavê ou pá cumê” uma faz o espectador rir, afinal ninguém é de ferro. Entretanto, o texto é muito ruim, pois leva ao extremo o jogo de palavras que combina com cada emoji, por exemplo, quando o café está nervoso “você tem que maneirar na cafeína”, quando Hi-5 está em apuros “vamos dar uma mão para a mãozinha”, entre outras muito piores, acreditem. Ah, vale lembrar que tem um emoji de cocô no filme, então…

 

Você pode até estar pensando que eu sou um adulto que não entendeu a proposta da animação, mas não é bem assim. Parece que o filme mira no público infanto-juvenil, aquele pré-adolescente que talvez se sinta deslocado, ou está gostando de alguém e não sabe como agir (Alex gosta de uma garota do colégio chamada Addie), mas realmente não há nenhum aprendizado útil nesses dilemas que possa ser usado como fonte de inspiração. É tudo uma grande bobagem que se resolve da pior maneira possível.

As criancinhas podem até gostar do visual colorido e da estética competente, com efeitos visuais de qualidade (que até referenciam “Divertidamente”), mas creio que os diálogos sejam um tanto maduros para que elas absorvam e se divirtam. No meio de referências a jogos conhecidos, como Just Dance ou Candy Crush, e algumas ideias bacanas como a área Vip, onde os emojis favoritos festejam em contraste com a área deplorável dos que nunca são utilizados (como a maleta), as boas intenções foram todas desperdiçadas antes mesmo que pudessem surtir algum efeito positivo.

 

Alguns filmes têm começo promissor e se perdem em algum ponto futuro, seja no desenvolvimento ou no terceiro ato, mas “Emoji: o Filme” nunca decola. Sua trama gira em círculos e não avança, os personagens não evoluem e a solução para seus conflitos é risível, um nível de cinismo que há bastante tempo eu não via numa sala de cinema. Sei que aqueles pais que estiverem passeando pelo shopping num final de semana podem até ser fisgados, mas acredito que a melhor resposta para um filme desleixado como este será dada nas bilheterias, confiando na capacidade do público em escolher gastar seu tempo e dinheiro com algo que realmente valha a pena. Sim, eu acredito.

E você, já assistiu ou está ansioso para ver? Concorda ou discorda da análise? Deixe seu comentário ou crítica (educadamente) e até a próxima!

Para mais comentários sobre filmes, sigam-me nas redes sociais:

https://www.instagram.com/danilo_calazans/

https://www.facebook.com/calazansdanilo