Irreversível

>Assistir “Irreversível” pode ser uma terrível experiência para quem é sensível. Pode ser constrangedor, repulsivo e repugnante para os conservadores. Pode ser considerado uma obra prima para quem aprecia filmes do gênero. Estas são as possíveis reações que ele pode provocar. O segundo longa do argentino Gaspar Noé (a estreia de Noé como diretor de longa-metragem foi em “Sozinho Contra Todos”, no qual o protagonista foi extraído do curta-metragem de sucesso, “Carne” de 1991) chocou os espectadores no festival de Cannes quando foi exibido. Noé, que havia trabalhado com os protagonistas Vincent Cassel e Monica Bellucci no filme “Dobermann” (ele tinha...

Continue Lendo

O Som ao Redor

Que o Cinema brasileiro tem se destacado, não há dúvida. Filmes rodados na região do Nordeste têm arrastado multidões aos cinemas do mundo todo nos últimos anos. Não é exagero. Exemplo disso são filmes como “Central do Brasil”, “O Auto da Compadecida”, “Abril Despedaçado”, “Eu, Tu, Eles”, “Cinema, Aspirinas e Urubus”, “Febre do Rato”, “Cine Holliúdy”, “Tatuagem” dentre muitos outros. Mas, ultimamente, muitos dos filmes gravados no Nordeste, que têm se destacado, são os pernambucanos. Eis o caso do aclamado mundo afora, “O Som ao Redor”. O filme mostra o desconforto da classe média alta num bairro de Recife....

Continue Lendo

Moonrise Kingdom

O que se aborda num filme sobre adolescentes é um pacote de clichês com piadas ruins contadas em histórias distintas. Não é isso que o espectador vê em “Moonrise Kingdom”. O longa não é apenas fofo, bonitinho e gracioso. Pode ser considerado um longa de peso. Começando pelo diretor Wes Anderson (diretor de “A Lula e a Baleia” e “O Fantástico Sr. Raposo”) passando pelo roteirista Roman Coppola (ex-diretor de videoclipes, que trabalhou com Wes Anderson no roteiro de “A Viagem de Darjeeling”, é também filho do diretor e produtor Francis Ford Coppola e irmão da cineasta Sofia Coppola),...

Continue Lendo

Walt Disney nos Bastidores de Mary Poppins

Durante essas curtas duas semanas em 1961, Walt Disney faz tudo para conseguir convencê-la. Armado com storyboards criativos e canções envolventes dos talentosos irmãos Sherman, Walt lança um ataque total a P.L. Travers, mas a difícil autora não se mexe. Ele logo começa a assistir impotente Travers se tornar cada vez mais inflexível e os direitos começam a se afastar mais dele. É só quando recorre à própria infância que Walt descobre a verdade sobre os fantasmas que a atormentam, e juntos eles libertam Mary Poppins para enfim fazerem um dos mais encantadores filmes da história do cinema. Inspirado...

Continue Lendo