SINOPSE

Carrie foi e continua sendo um fenômeno pop. Tanto é que a história da garota deslocada com poderes telecinéticos se tornou maior que a fama de seu autor, Stephen King. Um daqueles encontros cósmicos entre personagem e público alvo. Síndrome da época. Quando Brian De Palma adaptou-o para as telas, uma transformação acontecia em nível comportamental em Hollywood. Graças a filmes como ‘O Poderoso Chefão’(1972), ‘Bonnie e Clyde’(1967) e ‘Easy Rider’(1969), a Meca do cinema destruiu seus antigos sistemas de distribuição e aposentou os velhos diretores, embarcando na onda dos jovens cineastas com influências europeias, como Francis Ford Coppola e Martin Scorsese.

CARRIE, A ESTRANHA 1

De Palma fazia parte do processo e viu no roteiro adaptado de Lawrence D. Cohen a oportunidade de falar de isolamento social e repressão religiosa através do universo adolescente. Uma novidade que George Lucas (Star Wars) e Steven Spielberg (Tubarão) praticamente inventaram, o conceito de blockbuster. O público infanto-juvenil era o alvo certo para salvar as bilheterias. A televisão colocava o Vietnã na casa do americano médio. Não havia mais espaço para a alienação dos musicais. Apesar de falar do sobrenatural, Carrie se baseou em uma vizinha da infância de subúrbio de King, uma jovem obesa que desconhecia as convenções sociais de sua idade por ter uma mãe repressora e ultra-religiosa. A jovem se suicidou, e o pequeno Stephen King não esqueceu que o horror pode estar nas banalidades do cotidiano.

CARRIE, A ESTRANHA 2

Justamente por isto, a primeira cena de Carrie é tão emblemática, embalada por uma câmera lenta e uma canção mórbida que nos lembra ‘O Bebê de Rosemary’ (Roman Polanski), onde Carrie White (Sissy Spacek) se desespera ao ver sangue sair de seu corpo durante o banho, pois não sabe oque é menstruação. Isolamento é uma marca de seus livros e a alma do roteiro deste clássico moderno. Piper Laurie vive a monstruosa mãe Margareth White, contrapondo a visão de Friedkin em ‘O Exorcista’ (1974), onde o mal é uma essência que ronda por sobre a realidade. Aqui ele é extremamente humano, e a princípio, cristão. O ateísmo é patente, pois Carrie tem habilidades que a ciência tenta explicar, fato que a garota quando percebe que pode mover objetos em momento de estresse, recorre aos livros para procurar respostas sobre si mesma. Em casa só existe a mãe como uma sombra vestida de preto com a bíblia em punho demonizando os poderes da filha e culpando sua própria concepção, seu nascimento e seus “pecados” passados.
Tanto o livro como o filme são verdadeiros manuais para jovens “outsiders” que não veem em seu tempo, um espaço para existir. Isto explica tamanha força contemporânea.

CARRIE, A ESTRANHA 3

A história teve reflexo com as transformações sociais dos anos 1970, onde o protagonismo jovem se estabelece pelo mundo, rompendo com o cristianismo dos pais, as políticas imperialistas de seus países e brigando por direitos sociais. Ex; Maio de 68, movimento hippie, contra-cultura e a marcha pelos direitos civis.
Como alegoria, é importante para seu tempo e crucial para a carreira de De Palma. O final sinistro e apoteótico no baile de formatura é uma das cenas mais lembradas e bem executadas do gênero. Pela primeira vez, Hitchcock foi vendido para garotos, pois seus enquadramentos e planos estão em cada momento desta cena. Se a função da ‘New Hollywood’ era dar fôlego financeiro e maturidade artística ao cinema comercial, a missão estava cumprida.

Ao lado de ‘Os Intocáveis’(1987) é talvez o filme mais perfeito de seu diretor. Obra-prima.

Trailer do Filme:

UMA CARREIRA EM 24 FRAMES: BRIAN DE PALMA

Uma das colunas mais queridas do Pipoca de Pimenta finalmente está de volta e em melhor formato! A partir deste mês, toda a equipe do site irá analisar a filmografia de um diretor homenageado e criticar seus principais filmes.
Durante muito tempo, a indústria cinematográfica usou a definição de 24 frames por segundo para mostrar filmes com fluidez satisfatória, alegando que nossos olhos não conseguiriam ver diferença com taxas mais altas. Embora tal teoria já tenha sido ultrapassada, serviu de inspiração para este quadro chamado: “Uma carreira em 24 frames”.
Este mês vamos homenagear a filmografia de um diretor que concebeu vários clássicos e filmes icônicos ao longo de três décadas. Embora não tenha obtido o devido reconhecimento por seu trabalho na época em que estava no auge, hoje em dia é difícil não admitir a influência de suas obras para a Sétima Arte.
O aniversariante do mês nasceu em Newark, New Jersey em 11 de setembro de 1940. Brian de Palma é filho de um cirurgião e chegou a estudar física, enquanto se dedicava fazer alguns curta-metragens. O jovem diretor começou a se destacar depois de produzir por conta alguns filmes que dirigia. Apaixonado por suspenses com belas e perigosas mulheres, o estilo misterioso de De Palma seria sua marca registrada e o acompanharia durante toda sua carreira. Habituado a trabalhar com roteiristas de grande calibre, como David Koepp (O Pagamento Final, 1993), Paul Schrader (Trágica Obsessão, 1976), John Farris (A Fúria, 1978), Oliver Stone (Scarface,1983) e David Mamet (Os Intocáveis, 1987), De Palma adaptou também o clássico do terror “Carrie, a Estranha” em 1976, do prestigiado escritor Stephen King.

Principais filmes realizados:

Paixão (2012)
Guerra sem Cortes (2007)
Dália Negra (2006)
Femme Fatale (2002)
Missão: Marte (2000)
Olhos de Serpente (1998)
Missão: Impossível (1996)
O Pagamento Final (1993)
Síndrome de Caim (1992)