Desde o francês O Passado (2013), o iraniano Asghar Farhadi testa suas habilidades de tratar suas crônicas no cenário ocidental. E desde então obteve bons resultados, chegando a receber o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro por A Separação (2011), em 2012 e O Apartamento (2016), em 2017. Agora, foi a vez do iraniano embarcar no cenário espanhol com um dos elencos hispânicos mais aclamados da atualidade: Penélope Cruz, Javier Bardem e Ricardo Darín.

o entanto, apesar de três nomes fortes, eles estão longe de serem os principais protagonistas de uma tensão crítica às relações familiares.

A habilidade de Farhadi utilizar de argumentos para trabalhar crônicas e estabelecer críticas sociais é incontestável. O cineasta comprova isso principalmente na sua construção de diálogos, que formam o verdadeiro desenvolvimento de personagens, mas também na tensão entre eles. O controle narrativo de Farhadi faz de Todos Já Sabem um verdadeiro exemplo de roteiro. Por trabalhar com diversos protagonistas, colocando todos em situações discutíveis e participativas na trama, o cineasta mantém firmeza em sua proposta. Uma mesma intenção na mão de um roteirista menos experiente causaria um estrago, com cenas exageradamente melodramáticas e fora do tom necessário.

O melhor também está no fato da trama principal servir como uma desculpa narrativa para o roteiro trabalhar o verdadeiro assunto. Dentro de um simples sequestro, a quebra de estrutura familiar causada discute religião, patriarcalismo, situação financeira e noção da honra masculina e feminina. A partir desses pontos, Farhadi constrói um suspense psicológico cru e real o suficiente para reconhecer situações individuais em cada uma das conversas trocadas entre os personagens. Esse ponto faz Todos Já Sabem ter um protagonismo geral, até pela direção do cineasta estabelecer trabalhar com todos os envolvidos naquele cenário.

Inclusive, este fator faz o longa falhar com sua narrativa. Por um momento, Farhadi quebra sua estrutura ao passar para o ponto de vista dos sequestradores, tirando a posição de participante do espectador, até então presente na narrativa. Apesar de justificável, o iraniano demonstra elementos futuros que poderiam ter sido utilizado ao invés de uma quebra na estrutura. No entanto, o elemento não tira o mérito da tensão construída na história. Ainda que Farhadi demonstra amadurecimento em utilizar elementos modernos para sua direção – como o uso de drones – para conversar com o significado construído naquele momento.

Há também o importante fator do iraniano manter sua consistência na direção. Até porque o início da história traz leveza na apresentação dos personagens e do ambiente, até a então virada e início do nervosismo. Um outro diretor mudaria o clima do longa, mas Farhadi mantém na mesma linha, sem incluir trilhas padrões ou uma câmera mais nervosa. A direção mantém sua forma e segue da mesma maneira até o final do longa. Isso mantém o espectador ainda mais próximo daquele ambiente e daqueles personagens. Farhadi nos conforta no início e por mais nervosa que seja a situação, eles nos mantém ali da mesma maneira, gerando nervosismos individuais.

Nesse caso, o cineasta não força um sentimento. Ao manter a narrativa da mesma maneira, ele deixa essa ação e esses sentidos na mão – e no coração – de cada um dos espectadores. O que facilita isso são os personagens energeticamente participativos e igualmente enigmáticos. Por mais que vejamos a história mais pelo ponto de vista dos personagens de Penélope, Bardem e Darín, eles se mantém tão suspeitos quanto, e isso é muito bem construído através do roteiro, que não cansa de estabelecer conflitos familiares. Isso faz com que seja muito fácil se reconhecer em Todos Já Sabem.

Para famílias que possuem constantes conflitos envolvendo dinheiro, Farhadi consegue construir algo muito popular diante uma situação imagética. E tudo muito bem interpretado por todo o elenco. Além dos três, que esbanjam elogios, Bárbara Lennie é um destaque com uma atuação tão crua e poderosa quanto dos outros presentes na trama, até pela exigência do texto em ter sua importante participação narrativa.

Isso faz com que Todos Já Sabem seja o longa mais popular de Farhadi até então, mas igualmente poderoso nas mensagens transmitidas, principalmente pelas discussões estabelecidas e reflexões provocadas. O cineasta conseguiu brilhantemente usar de um plot poderoso para conseguir construir de forma natural suas críticas e análises, não forçando o texto e não o deixando expositivo. Aliás, que um filme com um elenco poderoso desse chama a atenção, todos já sabem.