Como todo bom cinéfilo sabe, quinta-feira é dia de estreia nos cinemas brasileiros. Confira abaixo as críticas do filmes que estrearam no dia 25/01.

“O Artista do Desastre”

O longa é uma adaptação do livro “The Disaster Artist: My Life Inside The Room”, que trata da produção daquele que é considerado por muitos o pior filme já realizado: “The Room”, dirigido, escrito e estrelado por Tommy Wiseau em 2003.

“Sem Fôlego”

Gunlint, Minnesota, 1977. Ao atender um telefonema, o garoto Ben é atingido pelo reflexo de um raio, que caiu bem em sua casa. Esta situação faz com que seja levado a um hospital em Nova York, onde descobre que não consegue mais ouvir um som sequer. Em 1927, a jovem surda Rose foge de sua casa em Nova York para encontrar sua mãe, a consagrada atriz Lillian Mayhew. A vida destes dois garotos que não conseguem mais ouvir está interligada a partir de um livro de curiosidades, que os leva ao Museu de História Natural.

“A Repartição do Tempo”

Brasília, início da década de 1980. O REPI (Registro de Patentes e Invenções) acaba de ser capa de uma importante revista nacional, que o coloca como exemplo da burocracia existente no governo. Lisboa, o chefe do departamento, não gosta nem um pouco da reportagem e decide cobrar atitude de seus funcionários, que fazem de tudo menos trabalhar. Paralelamente, o dr. Brasil deseja patentear uma máquina do tempo. Ele deixa o aparelho no REPI e, ao ser colocado no estoque, Jonas acidentalmente o aciona e, consequentemente, volta no tempo. Ao descobrir o ocorrido, Lisboa elabora um plano de forma a obrigar os funcionários a realmente trabalharem, mesmo que para tanto eles precisem ser mantidos em cativeiro.

“Maze Runner: A Cura Mortal”

No terceiro filme da saga, Thomas embarca em uma missão para encontrar a cura para uma doença mortal conhecida como “Fulgor” e descobre que os planos da C.R.U.E.L. podem trazer consequências catastróficas para a humanidade. Agora, ele tem que decidir se vai se entregar para a C.R.U.E.L. e confiar na promessa da organização de que esse será seu último experimento.

Mesmo atualizado tecnologicamente, “Brinquedo Assassino” possui narrativa obsoleta

Ainda que o cinema de terror esteja passando por uma fase, digamos, diferente (apesar do termo não fazer jus), a indústria cinematográfica anda pelo caminho contrário. Diante grandes conquistas de bilheteria, remakes e continuações de franquias vem se...

“Our Boys”, minissérie israelense da HBO, apresenta formato e narrativa bastante promissores

Em junho de 2014, três adolescentes foram sequestrados e mortos em Israel, resultando em uma grande comoção coletiva entre a população israelense. Os acontecimentos que seguiram tal fato não só marcaram como intensificaram os conflitos na Faixa de Gaza, fazendo com...

“Era uma vez… em Hollywood” é pouco coeso mas esdrúxulo o suficiente, como se espera do Tarantino

O nono filme de Tarantino está entre nós, após o verborrágico “Os Oito Odiados” de 2016, o diretor, aclamado por uns, odiado por outros, traz uma ode a Hollywood dos anos 60 na sua, quem sabe, penúltima produção, já que há muito tempo o diretor afirma que irá se...

Com ainda mais músicas e cores, “Descendentes 3” encerra a franquia de forma criativa e bem pensada

Os contos de fadas se originaram há muitos anos atrás e são conhecidos por quase todo o Ocidente, mas foi só em 1937 que a Disney lançou seu primeiro filme baseado nestas histórias: Branca de Neve e os Sete Anões. Já em 2015, agora uma das maiores companhias de...