“Uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”. Glauber mal podia imaginar que essa máxima se tornaria realidade corriqueira na era do iPhone. Hoje mais e mais conteúdos atingem diariamente nossas telas (seja no cinema, on demand, Youtube…) e a Netflix teve um papel importantíssimo nessa nova realidade. No dia 22 de Setembro o site de streaming lançou o seu mais novo conteúdo original: “Easy”

A série, criada e dirigida por Joe Swanberg, tem o estilo de produção parecido com o de “Girls” e “Transparent”, basicamente utilizando uma câmera digital, o mínimo de iluminação artificial, vários atores amadores e baixo orçamento.

easy-pipoca-de-pimenta-netflix-orlando-bloom-james-franco
Créditos: Divulgação

“Easy” reúne comédia e drama, com 8 episódios de aproximadamente meia hora cada. A simplicidade com que as historias trazem situações do dia a dia sobre relacionamentos, sexo, evolução e amor, conquistaram o público rapidamente. Em cada episódio acontece uma trama com atores e lugares diferentes. Portanto, pode assistir fora da ordem ou demorar 100 anos para ver o próximo episódio que a mensagem será entregue e não haverá relação com o que aconteceu no episódio anterior. O que fica realmente é uma impressão de leveza para lidar com as situações mais inusitadas ou mais corriqueiras.

Ao retratar um casal moderno que decide apimentar sua relação sexual, a série também discute como nossa geração esta lidando com o fato de que mais mulheres estão inseridas no mercado de trabalho e, inevitavelmente, deixando as crianças para os pais cuidarem, a louça pros machos lavarem e as contas pra elas pagarem. Quando “Easy” nos apresenta para um casal de duas meninas bem jovens e mostra uma delas mudando todo seu estilo de vida por causa da parceira, é inevitável nos reconhecer ou reconhecer alguém próximo de nós na mesma situação.

Infidelidades, segredos, orgulho, passado mal resolvido… tudo isso está contido nessas narrativas que são interpretadas por diversos perfis de pessoas absolutamente reais.

easy-pipoca-de-pimenta-netflix-orlando-bloom-james-francoCréditos: Divulgação

A decupagem é eficaz, há bastante câmera na mão e planos conjunto que vão se adaptando aos movimentos dos personagens. Muito da trilha sonora parece debochar da situação vivida pelos protagonistas, assinalando ainda mais como alguns momentos de nossas vidas apenas parecem extremamente complicados, mas na verdade, quando vistos de fora, são apenas pequenos dilemas sem nada de extraordinário. Toda a série se passa em Chicago, e as soluções encontradas pelos produtores e pela direção ao optarem sempre pela simplicidade nos mostram que é possível fazer um conteúdo de qualidade sem recursos mirabolantes e caros.

“Easy” nos permite rir de nós mesmos enquanto simultaneamente nos emocionamos. É uma série simples e eficaz que vale a pena ser assistida.