Domingo, dia 06 de maio, 20h. A presença dentro do Museu da Imagem e do Som, em São Paulo, estava grande. Decoração com o mercenário tagarela distribuindo frases de amor como “o evento mais f#d$ do ano” enchiam um longo corredor até a entrada daquele que seria um evento gratificante aos jornalistas (que tentam guardar o espírito de fã na hora do trabalho). Morena Baccarin, carioca de nascimento, cresceu nos Estados Unidos e marcou o Brasil em produções como a série de ficção científica ‘V’ (2009-2011) – que a destacou pelo mundo – e participações em ‘Firefly’ (2002 – 2003) e ‘Death In Love’ (2008).

Mas a vida atriz não foi destaque, dando espaço para sua participação no filme do herói mais zuero da Marvel. Lotado, o auditório recepcionou a brasileira aos gritos e aplausos, felizes em receber uma conterrânea direta de Hollywood. O papo se deu início ao apresentar os convidados loucos que tatuaram a cara do personagem na Comic Con Experience, em dezembro do ano passado. Nisso, Morena já foi questionada sobre o texto adaptado para a campanha, no vídeo hilário com Ryan Reynolds “falando” português. A atriz contou que a produção acabou trazendo uma tradução um tanto quanto esquisita, e que chegou a pedir ajuda de sua irmã para adaptá-lo da melhor forma possível.

A brasileira apresentou um senso de humor diferente, com um tom irônico e sarcástico nas respostas, entretanto foi firme ao escolher um filme do James Bond como seu sonho de interpretação, citando também vontade em interpretar a Mulher-Gato nos cinemas (afinal, seria interessante, já que a personagem pede uma nova versão). Morena também explicou a definição do “filme mais família”, que a publicidade anda divulgando, e segundo ela, a ideia é de um filme mais de união. Enquanto o primeiro focou na origem de Wade, aqui, eles dão um passo à frente e focam mais na relação dele com a namorada e a nova equipe, não descartando uma possível vinda de um Deadpoolzinho. Nisso, não economizou elogios ao companheiro de tela, tanto em relação ao seu profissionalismo – em querer trazer uma ótima adaptação do personagem – mas também na parte do humor, de como o ator é bom naquilo que faz e como fez de tudo para trazer um bom filme para os fãs.

Sobre o humor, Morena também foi questionada sobre como foi trabalhar junto com diversos humoristas na sequência. De forma sarcástica – é o que esperamos – definiu como “insuportável”, pelas infinitas piadas dentro do set e brincadeiras entre eles, chegando a passar por regravações de diversos takes, alterando piadas – como também aconteceu no filme anterior.

Sobre ‘Deadpool 2’, não falou tanto sobre sua personagem estar presente em cenas de ação…

(Agora uma pausa rápida. Calmo e pleno, prestava atenção em cada palavra de Morena, quando, rapidamente, meu nome, junto ao veículo, foi chamado para realizar um questionamento a atriz. Meio nervoso, questionei sobre o desafio de atuar em grandes produções com muito CG, pelo menos é o que eu espero que tenha saído da minha boa. Ok, agora podemos voltar ao texto)

…Morena revelou que sua personagem não exigiu tanto trabalho em estúdios – já dando indícios de não ter tantas cenas de ação, igual no primeiro – mesmo que o longa seja entre 80 e 90% feito em computação gráfica, segundo ela. A atriz comentou ainda sobre o “girl power” garantido, com distribuições de ação às personagens, com um destaque para Dominó, interpretada por Zazie Beetz. Entrando nesse ponto, e relembrando a vontade da atriz protagonizar um filme do 007, o protagonismo feminino em Hollywood vem ganhando destaque, mas para Morena o cenário ainda é bem diferente. “Ainda temos uma longa jornada para sermos iguais no mundo inteiro”, comentou.

Num período dominado pelas produções de super-heróis, o combate contra o spoiler tomou conta de grandes estúdios. Foi realizada uma pergunta sobre a atitude da produção quanto a isso. Como um padrão que vem sendo seguido nos estúdios, o elenco precisou devolver roteiros, foi proibido de usar celular dentro do set (mesmo assim, Morena revelou ser “vida loka” ao usar o aparelho) e assinou contratos para não falar sobre nada.

A ideia de tudo isso, de acordo com a própria atriz é de surpreender os fãs. Mas como todo fã é um ansioso sem precedentes, a brasileira mostrou QUATRO cenas do filme – todas extensões de cenas do trailer – que, obviamente não serão reveladas. O que seria interessante dizer para acalmar o coraçãozinho dos mais inquietos, é que está bem maior do que o primeiro. Até então, por todos os sentidos, dentro dos limites das cenas. O humor é superior, a violência ainda mais e a troca de Tim Miller por David Leitch se mostrou nítida quanto a ação e as piadas. Entre elas, vimos diálogos de humor alterados em relação aos que estão sendo divulgados, fenômeno já citado aqui e que também ocorreu no primeiro filme. Mas bem, só um aviso: PREPAREM-SE.

Sobre o futuro, Morena não citou nada sobre um possível terceiro filme, que ainda é uma incógnita e dependerá dos rumos da compra da Fox. Em relação ao seu trabalho, comentou que adoraria realizar projetos no Brasil e disse algo empolgante para alguns estúdios: “por enquanto, meu ano está tranquilo, mas posso receber aviso a qualquer momento”. Sem muitas revelações, a ansiedade aumentou.

A crítica do filme sai ainda nesta semana, então fiquem atentos nas publicações. ‘Deadpool 2’ estreia dia 17, em todo o Brasil. Que a zueira esteja com vocês… Bem, acho que é assim que termina.