Os detalhes da negociação entre a Sony e a Disney sobre os direitos do Homem-Aranha ainda são obscuros, e talvez assim permaneçam. Mas enquanto o Marvel Studios, sob o olhar compartilhado, se aproveita do personagem em carne e osso no cinema e em animações para a TV, a divisão de entretenimento da companhia japonesa está se aproveitando sozinha dos personagens derivados e agora começou a explorar novos horizontes com uma animação do teioso para o cinema. “Homem-Aranha no Aranhaverso” chega aos cinemas brasileiros no dia 10 de janeiro, e pode ser uma película crucial para os rumos do personagem nas duas empresas.

 

A trama explora diversas versões do personagem, que acabam se encontrando no mesmo “universo” e possuem um inimigo em comum. Nos quadrinhos, as variações do mesmo personagem se justificam pela necessidade de giro das edições ao longo dos anos, justificativa a qual é de uma base potencialmente fraca, visto que transparece a falta de criatividade dos editores. E então, trazer esse conceito para o cinema é potencialmente complicado, visto que o cerne da produção é problemático.

 

Dito isso, será que estamos caminhando para um looping criativo que alimenta as formas de apresentar as mesmas histórias, mas não busca o novo? Temos histórias milenares que continuam se reinventando e sendo apresentadas para novas gerações, mas ao mesmo tempo temos histórias muito recentes sendo refeitas, sob custos altíssimos de produção, que alimentam um mercado cinematográfico fútil e medíocre.

 

São muitos aqueles que reclamam das críticas cinematográficas, com argumentos que o cinema é um local de divertimento para se relaxar, mas por que esse divertimento precisa ser vazio? Por muito tempo, o cinema apresentou histórias com profundidade, e quando os efeitos eram escassos, só era possível entreter o público com diálogos e tramas interessantes de verdade. Mas pobre Homem-Aranha, ele não foi o primeiro e, certamente, não será a última vítima do abuso criativo. Na verdade, Phil Lord e Rodney Rothman, os cineastas por trás da direção e roteiro, fizeram um notável trabalho, e de certo modo satirizam esta questão levantada com a forma que conduzem o filme.

 

Excetuando-se os momentos de ação intensa e explosão de cores (as quais podem incomodar alguns), o filme é como um “meme” da internet que continuamente escarnece o Homem-Aranha. E essa total falta de seriedade ao dirigir e escrever o filme, o torna não só engraçado, mas ao mesmo tempo crítico. Em meio a tantas piadas, a mensagem que fica é “nós não precisamos de tantas histórias de super-heróis assim”. E assim como em “WiFi Ralph”, é interessantíssimo observar questões que não naturais dos filmes infantis, em filmes infantis lançados no mês das férias escolares.

 

“Homem-Aranha no Aranhaverso” não é memorável, mas por ser uma sátira de si mesmo até consegue divertir em camadas menos rasas. O sucesso é quase certo, e é provável que a Sony continue investindo na nova franquia, que abriu espaço para que suas produções não se saturem de maneira óbvia.