No conto bíblico, Salomé era uma moça que vivia com seu tio e padrasto, o rei Herodes Antipas. Prisioneiro do reino, o profeta João Batista chama a atenção das mais diversas pessoas, mas vira alvo da obsessão de Salomé, que faz um acordo com o rei para que este, mesmo contra sua vontade, lhe entregue sua cabeça em uma bandeja. O filme Love Me Not, dirigido por Lluís Miñarro, reimagina o conto de forma criativa, se utilizando de uma base militar como cenário principal.

A atriz Ingrid García Jonsson dá vida à soldada Salomé, que aos poucos vai adquirindo uma profunda obsessão em relação ao misterioso prisioneiro da base. O ator Francesc Orella, protagonista da famosa série Merlí, interpreta o coronel, padrasto de Salomé e que possui um insalubre desejo por sua enteada. A relação dos dois é construída de forma gradual durante a trama, deixando claro aos poucos que a paixão deste por sua enteada é maior do que seu temor pelo profeta. Este, por sua vez, é apresentado com extremo cautela, a partir de uma atmosfera misteriosa e simbólica.

O primeiro encontro da protagonista com o profeta se dá a partir de uma insistência desta para poder ver seu alvo, e a partir daí a trama se desenrola de forma peculiar e alusivo. O interesse dela por ele é demonstrado como algo profundo, sua curiosidade e encanto vão além de apenas um desejo carnal, mas o eliminam: não pouparia esforços para conseguir o que quer, e se não vivo, que o faça morto.

O profeta é apresentado assim como na Bíblia, reverenciando um Deus solo criador de tudo, o que causa aversão ao restante dos soldados e ao próprio coronel. Dois soldados, entretanto, se destacam por apresentar diálogos inteligentes que marcam o início e o meio do longa: enquanto um apresenta uma visão extremamente conservadora do prisioneiro, outro defende que é um ser humano como qualquer outro, e não é só porque tem uma religião diferente que deve ser morto.

Em meio às cenas, o público presencia simbolismos carnais e marcadores peculiares da trama, trechos de relações sexuais que condizem com o desenrolar da narrativa, desde o orgasmo coletivo até uma moça com meia dúzia de seios dando de mamar para um conjunto de homens. É figurativo a ponto de demonstrar a narrativa carnal da obra que guiará o final da trama, que encerra com uma inteligente quebra de realidade que agrega um novo sentido a toda a obra.

Love Me Not, assim, é duplamente uma releitura contemporânea do clássico conto bíblico, mostrando de forma simbólica e profunda o desejo de Salomé pelo diferente, chamativo, em que a vida de seu objeto de anseio vale menos do que sua própria satisfação. É, portanto, uma história sobre a condição humana em diversas faces, desde o desejo mórbido até o anseio pelo corpo alheio, a partir uma visão artística talvez ainda mais obscura e angustiante do que a da obra original.