SINOPSE

A água, a falta dela e a forma como a tratamos é uma questão cada vez mais crítica, que tem sido discutida por ambientalistas, políticos e a sociedade em geral. É natural que o cinema e outros meios de comunicação comecem a se interessar pelo tema mais frequentemente, devido as ocorrências cada vez mais constantes de problemas hídricos no mundo, sejam racionamentos, enchentes ou geração de energia. Documentários como “A Thirsty World / Um Mundo com Sede” (em tradução livre), de 2012 exibido pelo Netflix Brasil e “A Lei da Água (Novo Código Florestal)”, de 2014, produzido por organizações ambientalistas e distribuído no Brasil, em 2015, através de financiamento coletivo, vêm ganhando destaque nas salas de cinema e internet.

Marcas da Água - Watermak (2014) 1

Marcas da Água / Watermark (2014) é um documentário canadense, baseado na obra de um dos mais renomados fotógrafos do Canadá, Edward Burtysky, dirigido por ele e pela cineasta Jennifer Baichwal. Burtysky é conhecido por retratar as ações humanas sobre o meio-ambiente e aqui, ele demonstra este olhar com toda sua qualidade fotográfica. Apresentado na Sessão não-competitiva do Festival de Berlim (Berlinale) e vencedor de prêmios, como o do Sindicato dos Diretores do Canadá (Prêmio Excelência), o Genie Awards (Melhor Documentário) e Melhor Documentário pelos Críticos de Cinema de Toronto, tem provocado discussões ao ser exibido nas salas de cinema pelo mundo. Com suas 1 h e 30 min. de duração, selecionadas a partir de um material com mais de 200 horas de gravação, é um retrato visual das diferentes interações humanas com a água, apresentado de uma forma sensorial e aberta a interpretação de cada espectador.

Marcas da Água - Watermak (2014) 2

Retratando locais como Bangladesh, China, Canadá, Estados Unidos, Groenlândia, Índia e México, o documentário demonstra como as pessoas se relacionam com a água em diferentes partes do planeta. Apresentado de uma forma não-didática e poético-filosófica, provavelmente não é um longa que agrade facilmente quem não está acostumado com o gênero, mas que pode recompensar quem assistir de mente aberta. Do descarte irregular de produtos químicos de curtumes em rios na Índia, passando por campos de arroz na China e chegando ao balé de águas do cassino Bellagio em Las Vegas e ainda uma pesquisa que envolve a perfuração de mais de dois mil metros de profundidade de gelo, com idade de mais de 115 mil anos, na Groenlândia, podemos vislumbrar como os recursos mananciais são tratados de formas muito parecidas e também diferentes do Brasil, nos fazendo entender que os problemas hídricos não são só nossos e têm de ser pensados e discutidos no mundo todo.

Marcas da Água - Watermak (2014) 3

A falta de água em diversas cidades do Brasil, principalmente em São Paulo, tem despertado a atenção das pessoas para a água como tema de debate social. O papel dos documentários, assim como do jornalismo, entre outros meios de comunicação, nestas relações é de manter o debate em voga, para que não nos deparemos com o problema, apenas quando ele “faltar em nossas torneiras”. Apesar de A Marca da Água não abordar diretamente as adversidades relacionadas com a água em nosso país, ele merece ser assistido e ganhar mais destaque, para incentivar uma reflexão sobre nossas relações e ações sobre a manutenção deste bem vital para o nosso dia a dia. Sua estreia nos cinemas brasileiros, coincide com o dia Mundial da Água, 22 de Março, data criada pela ONU (Organização das Nações Unidas), para ser destinada a discussão sobre os diversos temas relacionadas a este importante recurso natural.

Marcas da Água - Watermak (2014) 4

Toda produção cultural assume uma posição, quando não uma ideologia, social ou política, criticando ou exaltando determinado ponto de vista. Produções cinematográficas não são diferentes, mas em Watermark, os responsáveis pela criação, tentam afastar-se o máximo possível deste tipo de atitude, ainda que ser totalmente isento seja quase impossível. As imagens que se apresentam em tela, não vêm acompanhadas de diálogos ou narrações que expliquem a intenção de quem as capitou, mesmo que apareçam depoimentos de algumas pessoas. São poucos os momentos em que os diretores falam diretamente com seu público e quando ocorrem, não vem acompanhados de juízos de valor sobre o que estão documentando. Isto torna o discurso do filme interpretativo e pessoal, gostar ou não do que é apresentado vai depender totalmente das suas próprias experiências, conhecimentos e do que você vai projetar de sensações e sentimentos, de acordo com o que assistir.

Marcas da Água - Watermak (2014) 8

E o melhor de se assistir um longa-metragem sobre água, são as cenas de tirar o folego, seja pela beleza ou pelo choque que alguns absurdos, relacionados a poluição ou o mau uso dos rios, nos causam. As imagens panorâmicas são um deslumbre de beleza, como as da câmera que sobrevoa o rio Colorado, formando uma verdadeira pintura similar a uma árvore em seu delta cada vez mais seco, do lado mexicano, por causa das inúmeras barragens norte-americanas ou ainda as da colossal hidrelétrica construída na China. Se os “takes” apresentados não lhe emocionarem de alguma maneira, provavelmente é por que você não está em sintonia com o que a obra pretende extrair de suas percepções, mas com certeza é uma experiência de cinema transformadora, por ser diferente do que a maioria está acostumada.

Marcas da Água - Watermak (2014) 9

Certamente que a película tem seus problemas e não faltam críticas que os destaquem, sendo que as maiores reclamações são por ela não apresentar uma coesão entre as cenas apresentadas e tentar demasiadamente não se tornar panfletária, o que pode torná-la monótona e confusa em alguns momentos. Porém o filme é autossuficiente em seus intuitos, como expressão artística e mesmo que ele denuncie alguns comportamentos, não é este o seu foco. Ele se permite encontrar belas imagens, até na destruição, na poluição ou ambientes insalubres, como em rituais religiosos que envolvem milhões de pessoas no rio Ganges na Índia. É um documentário obrigatório para quem quer refletir sobre como tratamos a água e como devemos repensar os usos dela para o futuro.

Trailer do filme: