SINOPSE

Jimmy Logan, um homem de família da Virgínia Ocidental, encaminha seus irmãos Clyde e Mellie para um elaborado esquema de um assalto em plena corrida da NASCAR. Para concretizar a tarefa, contam com a ajuda de um especialista em roubos, Joe Bang. Para complicar o plano, um imprevisto obriga-os a mudar a execução do assalto.

FICHA TÉCNICA

Direção:

Steven Soderbergh

Roteiro:

Rebecca Blunt

Gênero:

Comédia, Policial

Produção:

Mark Johnson, Gregory Jacobs, Reid Carolin, Channing Tatum

Elenco:

Channing Tatum, Adam Driver, Daniel Craig, Riley Keough, Seth MacFarlane, Katie Holmes, Katherine Waterson, Dwight Yoakam

Nacionalidade:

Estados Unidos

Ano de Produção:

2017

Data de Lançamento:

12 de outubro

Distribuição:

Diamond Films

CLASSIFICAÇÃO

Direção:

Roteiro:

Fotografia:

Trilha-Sonora:

Efeitos Visuais:

Efeitos Especiais:

Item não avaliado

Direção de Arte:

Elenco:

Montagem:

Figurino:

Maquiagem:

Um motivo, um plano, alívios cômicos, um especialista em cofres e uma mudança repentina na estratégia do grupo. Essas são as principais fórmulas que moldam um filme de roubo, e Soderbergh, em seu quinto filme do tema, aproveita das mesmas características, sem avançar, com uma história similar, mas contada em um ritmo desacelerado do padrão Hollywoodiano.

Aproveitando-se de estereótipos do sulista americano, estereótipos estes que ultrapassam do sotaque caipira, Soderbergh explora individualmente cada personagem com características únicas, mas não muito originais. O roteiro de Rebecca Blunt, junto com a direção, não apresentam características evolutivas na narrativa, deixando, certos pontos previsíveis e, consequentemente, decepcionantes. O diferencial, em comparação com os clássicos do gênero, é o ritmo explorado por Soderbergh, mais tardo e arrastado, fugindo dos comuns cortes rápidos. ‘A Qualquer Custo’ (2017), lançado no começo do ano, pratica o mesmo tema com uma cadência parecida, mas ganha vantagem na direção mais forte e presencial de David Mackenzie. Aqui, Soderbergh segue sua linha padrão, mas não deixa sua marca com uma potência significativa.

Apesar do ritmo, o destaque maior fica no elenco, principalmente no papel de Daniel Craig, totalmente distante de seu perfil de papéis densos e sérios, apresentando um lado mais solto e cômico do ator. O certo exagero em cima de Craig faz um divertido e funcional contraste com os sérios rostos dos irmãos Adam Driver e Channing Tatum.

Mesmo com um roteiro simplório, as piadas são secas e diretas, sem forçar um humor bobo e apelativo, apesar de, ironicamente, o filme ter a presença de Seth MacFarlane. Aqui, o humor funciona devido às características estereotipadas dos sulistas americanos e suas atitudes, e mesmo sendo essencialmente americanas, o público brasileiro consegue se identificar ao enxergarem no caipira americano, também o caipira do Brasil, aquele distante da tecnologia, que vive na cidadezinha pequena e tudo mais. Ao utilizar piadas com referências atuais, inclusive piadas com o próprio trabalho do diretor, a aproximação com o espectador, distante da realidade rural americana, possibilita a diversão do mesmo.

A ambientação criada por Soderbergh, da vida comum e isolada da população de Virgínia, e todo o trabalho com os personagens nesse ambiente, são outros pontos positivos do longa, e mesmo com um grande número de clichês, tanto de história quanto de personagem, eles funcionam. A diversão existe, mas não fica constantemente presente e vai embora no momento em que os créditos sobem, e toda a história é substituída por outras de filmes melhores, como o próprio ‘Onze Homens e Um Segredo’ (2001), também do diretor.

Como citado anteriormente, a característica do americano sulista ultrapassa o sotaque, e ganha destaque na trilha sonora country com um pouco de rock, indo de John Denver, passando por John Fahey, e chegando em The Monks, trazendo ainda mais a essência americana à tela. Com um soundtrack muito bem trabalhado e de alta qualidade, até mesmo para quem não curte o estilo musical, o filme cresce, mas enxergo que poderia ter sido melhor explorada, principalmente com um leque de discografias incríveis nas mãos.  

Infelizmente, ‘Logan Lucky – Roubo em Família’ não sai do mais do mesmo, mas consegue explorar elementos que divertem o espectador, chegando a tirar um sorriso de seu rosto, mas junto com um sentimento, mesmo que curto, de felicidade, vem a decepção por não ser uma história tão nova assim.