A amizade tem sido representada no audiovisual em suas mais diversas frentes, desde no quesito inocência, como em “E.T.” ou “O Menino do Pijama Listrado”; comicidades e desventuras, em “Thelma & Louise”; algo mais profundo e emotivo, como em “Intocáveis” e “Sempre ao seu lado”; ou até em face ao terror, como em “It – A Coisa”. Assim, a amizade é um fator delimitado nos mais diversos gêneros e formatos como algo importante nas relações de cada personagem (seja pela presença ou falta delas), e não é para menos, pois poucos são aqueles que, na vida real, conseguem viver sem criar laços sociais entre aqueles ao redor.

Em O Melhor Está Por Vir, comédia francesa dirigida por Alexandre de La Patellière e Matthieu Delaporte, temos uma amizade representada de forma bastante doce, profunda e, ao mesmo tempo, real. Na trama, Arthur e César são dois amigos de infância, o primeiro, bem sucedido, enquanto o segundo, não. Quando César se utiliza do plano de saúde do amigo para fazer uns exames após um acidente, Arthur recebe a ligação do médico dizendo que teria apenas cerca de seis meses de vida, mas sabe que tais resultados terminais são de César, e não de si mesmo.

Assim, a partir de um roteiro tão desengonçado quanto seus protagonistas, Arthur mantém a mentira de que está morrendo para o melhor amigo, a fim de que César (que não desconhece a existência de seu câncer) não saiba que seus dias estão contados. A trama gira toda em relação à mentira de Arthur, que convence César a aproveitar o tempo que lhes resta juntos, sendo guiada por diversas situações leves e agridoces, capazes de trazer sorrisos ao espectador – acompanhados de uma ou outra risada pontual. E, não só isso, a obra conta com personagens divertidos e facilmente relacionáveis, compostos por um elenco talentoso que sustenta tudo aquilo que a obra se propõe a ser, compensando qualquer falha vindoura de um roteiro que tropeça em seus próprios passos.

O humor francês em seu cinema é, claramente, divergente do hollywoodiano, este muito mais acentuado e intenso, clamando por gargalhadas de seu público. O francês, por sua vez, é mais tímido, leve e agridoce, com situações risíveis, geradas com um ritmo calmo e desacelerado. Assim compõe-se todo o humor do filme, que balanceia, de forma inteligente, o gênero da comédia com o drama.

Ao mesmo tempo que é uma comédia sobre a amizade, Patellière e Delaporte constroem um drama que, de forma inteligente, discute a perda. Comédia pelas situações extravagantes colocadas a cada personagem e, ao mesmo tempo, drama pelas suas relações que constituem todo o clima de suas cenas, pois, assim como Arthur, o espectador sabe que, minuto a minuto, segundo a segundo, frame por frame, a vida restante em César se esvai. É assim que O Melhor Está Por Vir coloca, frente a frente, a noção de morte e de amizade, as quais, juntas, contrapõem o verdadeiro significado de viver.

É, portanto, uma leve, mas inteligente, obra que discorre sobre a morte – ou, mais especificamente, sobre a temível noção do inevitável. Traz, ao longo de uma hora e meia de filme, uma doce e reconfortante história que leva o espectador a se questionar e, ao mesmo tempo, se enxergar ali, tanto no lugar de Arthur – eu contaria para meu melhor amigo que ele está morrendo? – quanto de César – eu gostaria de saber que meus dias estão contados? – e, a partir disso, coloca em discussão a simples ideia de seguir em frente. É assim que O Melhor Está Por Vir, em uma bem humorada, porém sutil, comédia francesa, explora as nuances de seus personagens muito bem escritos e, a cima de tudo, realistas, não só falando sobre a morte, mas, a partir dela, debatendo a vida.