Nesta quarta dia 1º de Junho de 2016, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) voltou atrás na decisão de impedir o limite de banda larga. Mas o que isso tem a ver com o cinema?

Vamos por partes. A princípio o presidente da entidade, João Rezende, aquele que falou que “gamers jogam demais”, afirmou que: “não vai intervir ou regular no modelo de negócios do ambiente de negócios privado, deixando à escolha das operadoras a adoção ou não das franquias de planos”.

obrigado-anatel-so-que-nao

E como isso nos afeta? Imagino que grande parte de vocês sejam assinantes do Netflix por exemplo, ou de algum outro serviço de Streaming. Para assistirmos nossos amados filmes e séries é necessário que seja feito um download a partir do servidor do serviço. Com a mudança proposta pelas operadoras, este serviço ficará ainda mais caro, ou seja, o que é ruim irá piorar e encarecer.

É impressionante como uma entidade que deveria nos proteger dos abusos das operadoras se posicione desta maneira. O grande problema não é o nosso Netflix de cada dia, ou os games que a galera curte jogar online. O “X” da questão é: nós pagamos por produtos terríveis e eles irão ficar ainda mais caros, o que irá interferir diretamente no pouco entretenimento que nos resta.

Independente de você ser fã de filmes, séries, jogos, animes, ou apenas aquele cara que lê as notícias e dá uma espiadinha no Facebook. Entenda a gravidade do assunto, porque o que está em jogo são nossos direitos como consumidores – que já são praticamente nulos.