SINOPSE

Ismael e Sylvia levam juntos uma vida tranquila. Enquanto ele se prepara para o início das filmagens do seu novo filme, sua vida sai fora de controle com a volta de sua esposa Carlotta (Marion Cotillard), desaparecida há 20 anos.

FICHA TÉCNICA

Direção:

Arnaud Desplechin

Roteiro:

Arnaud Desplechin, Julie Peyr, Lea Mysius

Gênero:

Drama

Produção:

Pascal Caucheteux

Elenco:

Marion Cotillard, Mathieu Amalric, Charlotte Gainsbourg, Louis Garrel

Nacionalidade:

França

Ano de Produção:

2017

Data de Lançamento:

03 de maio de 2018

Distribuição:

Imovision

CLASSIFICAÇÃO

Direção:

Roteiro:

Fotografia:

Trilha-Sonora:

Efeitos Visuais:

Efeitos Especiais:

Direção de Arte:

Elenco:

Montagem:

Figurino:

Maquiagem:

Com diretor aclamado e um elenco formado por estrelas do cinema francês, Os Fantasmas de Ismaël, filme de abertura da 70ª edição do Festival de Cannes, conta a história do cineasta Ismaël (Mathieu Almarich), a partir de três óticas distintas: o processo de criação de seu próximo filme, o trauma sofrido pelo desaparecimento de sua esposa Carlotta (Marion Cotillard), e a volta repentina de Carlotta após mais de 20 anos de desaparecimento, e como isso afeta seu relacionamento com Sylvia (Charlotte Gainsbourg).

O diretor Arnaud Desplechin traz, como em todos seus filmes, um personagem com o sobrenome Dedalus, dessa vez apresentado por Ivan Dedalus (Louis Garrel), o espião no qual se baseia o filme de Ismaël.

A história se divide em trechos do filme sobre Ivan Dedalus, o processo criativo de Ismaël, e sua vida antes e após o reaparecimento de Carlotta, e todos esses trechos apresentam características muitos distintas, o filme vai do suspense ao drama, passando por momentos cômicos, de romance, e surtos do personagem principal.

.

Os trechos são introduzidos na história de forma contínua, ou seja, sem divisões claras e explicações, a impressão que se tem é de que filmes distintos estão sendo assistidos ao mesmo tempo. De fato, a intenção do diretor era amarrar diversas histórias em uma única sequência, Arnaud Desplechin declarou à página oficial do Festival de Cannes que o longa trata-se de ‘’cinco filmes compactados em um único, como os nus femininos de Pollock.

Porém, falta coesão entre os trechos o que prejudica a linearidade do filme, tirando a atenção do espectador da trama, quando você começa a se prender à história ela é logo interrompida por outra. Em suma, Os Fantasmas de Ismaël tem boas atuações, com destaque para Marion Cotillard, e uma bela fotografia perdidas em uma linha do tempo confusa.