passaros

Como um bom suspense do grande Alfred Hitchcock, o filme surpreende a cada minuto que passa. Porém, seu começo inicia com uma história “fútil”, em que se aguarda apenas a sedução da jovem com Mitch. A reviravolta que dá, é algo muito característico das obras de Hitchcock, em que se percebe que a intenção foi inovar sobre nossos sentimentos, assistindo e colocando-se no lugar do personagem.
Tanto que, o filme tem uma característica única – não tem trilha sonora. O que poderia nos causar estranheza em tempos de tão variadas escolhas musicais, mas com um pouco de atenção, percebe-se que isso torna o filme único. Principalmente quando as aves aparecem com força, em conjunto, cada pequeno ruído causa-nos uma sensação indescritível, que só o verdadeiro suspense pode provocar.
Gosto de ressaltar a cena sensacional em que várias pessoas estão reunidas em um restaurante devido ao ataque, e começam a conversar sobre o que está acontecendo ou poderá acontecer. É uma mistura de opiniões e conceitos, que lembra de uma forma sutil alguns diálogos de “Rope”, dirigido por Hitchcock também. O longa pode originar múltiplas interpretações no espectador, principalmente por que ele, além de tudo, mostra o desenvolvimento das personagens. O que começa com uma história aparentemente leve, torna-se algo incrível, em que cada um dos personagens vai desenvolvendo e adaptando-se ao que estão passando no momento.

Escrito por: Camila Bonfim