Dentre os indicados a Melhor Figurino, no Oscar 2017, temos uma biografia. O filme é “Florence: Quem é essa Mulher?”, protagonizado por Meryl Streep.

Florence Foster Jenkins nasceu em 1868 e faleceu em 1944. Filha de um banqueiro, a cantora herdou todo o patrimônio de seu pai quando ele faleceu. Tornou-se conhecida em Nova York nos anos 1940, por suas apresentações nas quais não conseguia acertar uma nota. Por isso, foi chamada, cinicamente, “a diva do grito”.

Créditos: Divulgação

E o filme aborda exatamente essa transição de Florence para o mundo do canto. Bayfield, seu companheiro aristocrata, tenta proteger sua amada Florence da verdade, mas ele enfrentará o seu maior desafio quando ela decide fazer uma apresentação no Carnegie Hall.

Agora, quem teve que transmitir estas duas personalidades para o figurino foi Consolata Boyle. A figurinista já venceu 8 prêmios, incluindo o Costume Designers Guild Awards, em 2007, pelo filme “A Rainha”. Além desta, Consolata conta com grandes obras em seu currículo, como “A Dama de Ferro” e “Philomena”.

Em entrevista, Consolata Boyle falou um pouco sobre o figurino de “Florence”: “Havia uma mistura maravilhosa de sua vida cotidiana e sua vida de performance. E, em muitos aspectos, ela sempre se vestia de um jeito diferente, mesmo em sua vida cotidiana”.

Sketch do figurino / Créditos: Divulgação

Sketch do figurino / Créditos: Divulgação

Sketch do figurino / Créditos: Divulgação

Sketch do figurino / Créditos: Divulgação

“Era uma área muito ampla de pesquisa, mas, no final, foi sempre absolutamente imaginação. Estamos contando uma história e nos afastamos de toda a pesquisa. Levamos a pesquisa conosco e usamos parte dela, mas não usamos em tudo, disse ela. E ressaltou: “todo o figurino de “Florence” foi criado completamente a partir do zero”.

Sketch do figurino / Créditos: Divulgação

Sketch do figurino / Créditos: Divulgação

Sketch do figurino / Créditos: Divulgação

Sketch do figurino / Créditos: Divulgação

“Os tecidos que estariam disponíveis naquela época e o tipo de tecidos que ela usava em sua roupa de atuação, cada nuance de seus acessórios e seus chapéus, todas essas coisas que eu tenho certeza que eram muito importantes para as mulheres nesse período. Cada coisa tinha que estar no lugar certo, de modo que não houvesse espaço para dúvida”, explicou a figurinista.

Créditos: Divulgação

Créditos: Divulgação

Créditos: Divulgação

Créditos: Divulgação

Créditos: Divulgação

Créditos: Divulgação

Sketch do figurino / Créditos: Divulgação

“Eu acho que o figurino mais desafiador foi provavelmente alguns dos trajes de performance, como o traje Brunhilde, que é o que nós vemos ela em primeiro lugar, quando ela é abaixada. Isso é tecnicamente bastante complicado – tinha de ser tudo em fios e suspensos e trabalhar para que ela pudesse ser abaixada. As asas e o próprio traje em si era um grande desafio”, confessou Consolata.