Cenografia, figurinos, maquiagem, produção de objetos, são muitos os pormenores que precisam ser pensados na hora de filmar. Muitas vezes, boa parte desses detalhes são até despercebidos por nós, mas eles são essenciais para compor a história. É um trabalho árduo garantir que cada detalhe esteja no seu devido lugar e que não falte nada na composição da cena. Por isso, a Academia premia os responsáveis técnicos de Design de Produção.

Nesse ano, os indicados para Melhor Design de Produção são “La La Land: Cantando Estações”, “Passageiros”, “Ave, César!”, “A Chegada” e “Animais Fantásticos e Onde Habitam”. Confira um pouco mais sobre cada um:

“La La Land: Cantando Estações”

O musical contou com uma dupla bastante experiente na direção de arte. David Wasco e Sandy Reynolds-Wasco foram responsáveis pela arte de filmes, como “Pulp Fiction: Tempo de Violência” e “Bastardos Inglórios”. Com o intuito de homenagear os anos dourados de Hollywood, todos os detalhes visuais possuem uma pegada vintage. No universo de “La La Land: Cantando Estações”, o espectador se divide entre passado e presente. Enquanto a história se passa no nosso presente, toda a parte visual foi construída com elementos do passado.

Além de fantástico trabalho de figurino, produção de objetos e cenários, há uma cena que se destaca e que faz merecer a estatueta: o encontro de Mia e Sebastian no Observatório Griffith Park. A equipe não pode filmar no verdadeiro observatório, então coube a David Wasco e Sandy Reynolds-Wasco recriarem o espaço em um estúdio. E ficou tão igual que a maioria das pessoas que já visitaram o Observatório Griffith Park não conseguem notar diferenças.

“Passageiros”

As cenas espaciais de “Passageiros” chamam a atenção por sua complexidade. Criar um ambiente como o interior de uma nave espacial é bem mais complicado do que criar uma casa e coube a Guy Hendrix Dyas e Gene Serdena a difícil tarefa. A Avalon, nave espacial do filme, foi imaginada com acomodações para 5 mil passageiros. O design futurista e clean, inspirado em hotéis de luxo, desenvolvido por Hendrix Dyas e Serdena é um dos pontos altos do filme.

“Ave Cesár!”

Mesmo com um elenco de peso, de todos os indicados “Ave Cesár!” é o menos popular. Mas seu trabalho de direção de arte merece atenção. O filme se passa dentro de um estúdio de cinema da década de 1950 e Jess Gonchor e Nancy Haigh tiveram que recria-lo dentro de um estúdio moderno e, ainda, criar os cenários de diversos filmes. Em “Ave Cesár!”, há cenas de gravações no velho oeste, em tabernas antigas e no Império Romano. Isso tudo misturado com as cenas que se passam em Hollywood. Ou seja, Gonchor e Haigh tiveram que lidar com uma mistura de elementos muito grande para fazer a produção.

“A Chegada”

Apesar de se passar na Terra, assim como em “Passageiros”, “A Chegada” possui elementos espaciais. Para o filme foi preciso criar uma base onde Louise Banks, junto com sua equipe, mantinham contato com os alienígenas. Patrice Vermette e Paul Hotte foram os responsáveis por criar todos os ambientes, assim como a espaçonave dos alienígenas. Uma proposta bem inteligente da dupla foi fugir de estereótipos futuristas e trabalhar com um visual bem realista.

“Animais Fantásticos e Onde Habitam”

Voltar ao universo mágico de Hogwarts por si só já um baita desafio, mas ainda adaptá-lo para o início do século XX é uma missão para poucos. Stuart Craig e Anna Pinnock foram os responsáveis pelo belo trabalho. Segundo eles, todos os elementos tiveram inspiração no movimento artístico gótico. Por isso, tiveram que filmar em edifícios altos e largos, elementos que remetem a primeira saga de Harry Potter, mas com um visual mais sombrio e adulto.