SINOPSE

Brian De Palma tinha carreira consolidada e estelar em 1989. Após o explosivo ‘Scarface’ (1983), o Hitchcockiano ‘Dublê de Corpo’ (1984), e o classudo ‘Os Intocáveis’ (1987), a ambição do diretor se volta para a bola da vez da época. O Vietnã. ‘Casualties of War’, ou ‘Pecados de Guerra’ (na tradução brasileira) é um intimista e brutal drama sobre os espólios da derrota americana. Max Eriksson (Michael J. Fox), um soldado em operação sobre o comando do carniceiro Sgt. Tony Meserve (Sean Penn) testemunha um crime com várias prerrogativas morais de seu superior e equipe em combate.

PECADOS DE GUERRA 1

A câmera hermética e contida do diretor dão o clima de embate psicológico que o caos moral da personagem aliado a claustrofóbica mata embrenhada pelo conflito, transformam em uma trama mais dramática do que com realce na ação dos tradicionais filmes de guerra. Este é o perfeito exemplo de filme eclipsado pela má sorte. Assim como ‘Nascido Para Matar’ (1987) do mestre Stanley Kubrick, foi desfavorecido por concorrentes com discursos mais palatáveis ao público americano. Oliver Stone começou em 1986 uma competente trilogia personalista, sobre sua visão do conflito com ‘Platoon’. Logo na esteira do lançamento de De Palma surge o poderoso relato auto-biográfico de Ron Kovic, ‘Nascido em 4 de Julho’, filme que alçou Tom Cruise no papel central de galã a ator respeitado e indicado ao Oscar.

PECADOS DE GUERRA 2

Fato consumado em Hollywood é que redenção sempre dá certo como mote central de um bom roteiro, e isto Oliver Stone fez com excelência. Visto a olhos presentes, ‘Pecados de Guerra’ é um excelente retrato da burocracia hierárquica militar e o desejo estadunidense de esconder suas vergonhas em solo inimigo. Como filme-denúncia funciona muito bem, mas ainda perde em contraponto a filmes anteriores como as alegorias ‘Apocalypse Now’(1979) e ‘O Franco-Atirador’ (1978), cuja força épica já atingira o cerne da questão da arrogância imperialista, e o retrato naturalista da dor do soldado que comprou a idéia da guerra e perdeu quase tudo.

PECADOS DE GUERRA 3

O que restou ao diretor de ‘Vestida para Matar’ (1980) foi a conclusão de um ciclo de bons filmes que ele mesmo nunca mais conseguiu repetir nas décadas posteriores, talvez com excessão ao ótimo ‘O Pagamento Final’ (1993) com seu amigo de longa data Al Pacino. O próprio Michael J. Fox teria sua grande chance de ser levado a sério após o sucesso de ‘De Volta Para O Futuro’ (trilogia), oque infelizmente não aconteceu. Coisas que só o tempo nos mostra com clareza. Vale uma revisitada para os que já o conhecem, e respeito a uma carreira brilhante aos que nunca viram a filmografia desse grande diretor.

Trailer do Filme:

UMA CARREIRA EM 24 FRAMES: BRIAN DE PALMA

Uma das colunas mais queridas do Pipoca de Pimenta finalmente está de volta e em melhor formato! A partir deste mês, toda a equipe do site irá analisar a filmografia de um diretor homenageado e criticar seus principais filmes.
Durante muito tempo, a indústria cinematográfica usou a definição de 24 frames por segundo para mostrar filmes com fluidez satisfatória, alegando que nossos olhos não conseguiriam ver diferença com taxas mais altas. Embora tal teoria já tenha sido ultrapassada, serviu de inspiração para este quadro chamado: “Uma carreira em 24 frames”.
Este mês vamos homenagear a filmografia de um diretor que concebeu vários clássicos e filmes icônicos ao longo de três décadas. Embora não tenha obtido o devido reconhecimento por seu trabalho na época em que estava no auge, hoje em dia é difícil não admitir a influência de suas obras para a Sétima Arte.
O aniversariante do mês nasceu em Newark, New Jersey em 11 de setembro de 1940. Brian de Palma é filho de um cirurgião e chegou a estudar física, enquanto se dedicava fazer alguns curta-metragens. O jovem diretor começou a se destacar depois de produzir por conta alguns filmes que dirigia. Apaixonado por suspenses com belas e perigosas mulheres, o estilo misterioso de De Palma seria sua marca registrada e o acompanharia durante toda sua carreira. Habituado a trabalhar com roteiristas de grande calibre, como David Koepp (O Pagamento Final, 1993), Paul Schrader (Trágica Obsessão, 1976), John Farris (A Fúria, 1978), Oliver Stone (Scarface,1983) e David Mamet (Os Intocáveis, 1987), De Palma adaptou também o clássico do terror “Carrie, a Estranha” em 1976, do prestigiado escritor Stephen King.

Principais filmes realizados:

Paixão (2012)
Guerra sem Cortes (2007)
Dália Negra (2006)
Femme Fatale (2002)
Missão: Marte (2000)
Olhos de Serpente (1998)
Missão: Impossível (1996)
O Pagamento Final (1993)
Síndrome de Caim (1992)