A partir do dia 24/03 ao 8/4 acontece a Mostra de Cinema da Francofonia.

Neste ano de 2017 a mostra apresenta filmes que retratam, de diferentes maneiras, a diversidade cultural que um mesmo idioma abriga e como acontecem os fluxos migratórios dentro do território comum que pode ser considerada a língua falada. A partir disso, produções belgas, francesas, suíças, canadenses e quebequenses levantam discussões acerca da diversidade, alteridade, acolhimento, intercâmbio, diferenças e semelhanças entre culturas.

As exibições de filmes acontecem no Sesc Vila Mariana. Confira a programação.

Dia 24/03

16h: “Barcelona ou Morte”, de Idrissa Guiro

20h: “Do Outro Lado do Mar”, de Pierre Maillard

Dia 25/03

11h: “Cor da Pele: Mel”, de Jung, Laurent Boileau

14h: “O Porto”, de Aki Kaurismaki

Dia 30/03

16h: “A Escola de Babel”, de Julie Bertuccelli

20h: “Barcelona ou Morte”, de Idrissa Guiro

Dia 31/03

16h: “Não Assistência”, de Frédéric Choffat

20h: “O Porto”, de Aki Kaurismaki

Dia 1/4

11h: “Montréal, Cidade Branca”, de Bachir Bensaddek

14h: “A Escola de Babel”, de Julie Bertuccelli

Dia 6/4

16h: “Os Lobos”, de Sophie Deraspe

20h: “Cor da Pele: Mel”, de Jung, Laurent Boileau

Dia 7/4

16h: “Do Outro Lado do Mar”, de Pierre Maillard

20h: “Montréal, Cidade Branca”, de Bachir Bensaddek

Dia 8/4

11h: “Não Assistência”, de Frédéric Choffat

14h: “Os Lobos”, de Sophie Deraspe

O Sesc Vila Mariana fica na Rua Pelotas, 141, perto do Metrô Ana Rosa. A entrada é gratuita e os ingressos devem ser retirados com uma hora de antecedência.

Ainda fazendo parte da mostra, dia 22/3 acontece a exibição ao ar livre do filme “Samba” na Cinemateca Brasileira, acompanhado de uma sessão de autógrafos com a escritora, roteirista e diretora francesa Delphine Coulin e o lançamento do livro “Samba Pour La France”, que consiste no roteiro adaptado do filme.

Confira a programação.

18h30: Sessão de autógrafos com presença de Delphine Coulin

20h: Exibição do filme “Samba”

A Cinemateca Brasileira fica no bairro Vila Clementino, Rua Largo Senador Raul Cardoso, 207.

E dia 23/3 acontece a exibição do filme “Voir du Pays”, vencedor do Prêmio Un Certain Regard do Festival de Cannes de 2016 por Melhor Roteiro. Após a exibição do filme, haverá debate com Delphine Coulin.

A exibição e debate acontece no CPF – Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo, Rua Doutor Plínio Barreto, 285. A entrada é gratuita e as inscrições podem ser feitas pela internet até um dia antes do início da atividade, após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades.

Sinopses:

“Barcelona ou Morte”: Em um subúrbio de Dakar, partem para Europa frágeis barcos, símbolo de uma batalha e de uma pessoa: um pescador privado de seu ganha-pão pela globalização e empurrado a se comprometer com o perigoso negócio de transporte de clandestinos para a Espanha. Vivem em um país com dificuldades para lhes oferecer um futuro a seus joven. Em cada família, todo mundo sonha em partir, a qualquer custo, para alcançar “Barcelona”, uma palavra símbolo do sonho europeu.

“Do Outro Lado do Mar”: Para fugir dos fantasmas do passado, um ex-fotógrafo de guerra que mora na Itália, em meio a oliveiras, tira apenas fotos de árvores. Um dia, decide voltar à Albânia, onde fez sua última imagem de guerra. Lá, encontra uma jovem fugindo da vingança de sua família e buscando um futuro de liberdade do outro lado do mar. A história comove o fotógrafo, que decide acompanhá-la na fuga do trauma.

“Cor da Pele: Mel”: Aos cinco anos, Jung foi achado nas ruas de Seul por um policial. Encaminhado para adoção, ele foi morar com uma família na Bélgica, onde cresceu e se tornou cartunista, sem jamais retornar ao seu país de origem. Aos 42 anos, ele decide revisitar Seul. Misturando animação e documentário, o diretor cria uma jornada autobiográfica na qual relembra sua infância, sua história e aborda antigos fantasmas que o assombram até hoje: seus pais biológicos e sua condição de estrangeiro em uma família e um país que não o pertencem.

“O Porto”: Marcel Marx é um escritor que resolveu se exilar na cidade portuária de Havre, onde passa a trabalhar como engraxate de sapatos. Ele leva uma vida tranquila ao lado da esposa Arletty, até o dia em que uma criança negra vinda da África surge em sua vida. Paralelamente sua esposa fica doente, o que faz com que Marcel mais uma vez tenha que lidar com a indiferença humana.

“A Escola de Babel”: Em uma escola secundária no 10º distrito de Paris, existe uma turma de adaptação onde alunos imigrantes entre 11 e 15 anos de idade aprendem as primeiras lições de francês. Algumas dessas crianças recém-chegadas conhecem poucas frases na língua do seu país de adoção; outras não sabem falar palavra alguma. Suas famílias vieram de diversas partes do mundo como Irlanda, Senegal, Marrocos, Brasil e China, seja fugindo de perseguições ou apenas à procura de um novo começo.

“Não Assistência”: Milhares de pessoas tentam encontrar refúgio na Europa atravessando o Mediterrâneo. A resposta dos Estados é inexistente ou uma questão de segurança. Muros são construídos, as travessias, declaradas ilegais, forçam as pessoas a colocar suas vidas em risco. Como paliativo ao estado de não-assistência , civis buscam de diferentes maneiras dar um pouco de humanidade nesta crise sem precedente.

“Montréal, Cidade Branca”: Em Montréal, quando uma noite de Natal acontece de cair em pleno mês do Ramadã ou Quaresma muçulmana, os destinos de dois argelinos se convergem momentaneamente para fazer ressurgir um passado do qual eles imaginavam já terem se libertado. Fugindo de casa e de todos os tipos de festividades, sob o pretexto de que a noite poderia ser muito lucrativa, o taxista Amokrane transporta Kahina, uma jovem profissional, um pouco perdida, que tenta encontrar o seu ex-marido para recuperar sua filha. Amokrane reconhece nela seu ídolo, uma ex-estrela pop da Argélia, que ele acreditava estar morta. O táxi e a noite servirão de palco para o confronto do drama e da solidão de ambos. Pelo espelho retrovisor, a Argélia ressurge, invade todos os silêncios, com o seu cortejo de sombras e dores que acreditavam estar enterradas sob a neve de Montréal.

“Os Lobos”: Élie, jovem convalescente, desembarca numa ilha do Atlântico Norte, em meio ao gelo derretendo e tenta integrar-se na comunidade da ilha. Ela sente, ao mesmo tempo, nojo e atração por estes homens que praticam a caça a lobos-marinhos, neste lugar remoto onde a vida dá e tira, graças às forças brutas da natureza. A presença misteriosa da jovem Élie desperta curiosidade e desconfiança. Maria, a matriarca da comunidade, protetora dos lobos, tentará descobrir as motivações secretas de Élie. O filme ”Os Lobos” explora a incontornável necessidade de pertencer.

“Samba”: Samba veio do Senegal para a França há dez anos e sempre teve empregos de segunda. Alice é uma diretora executiva que tem estado muito estressada nos últimos meses. Ele está disposto a fazer o que for preciso para obter uma autorização para trabalhar, enquanto ela tenta deixar para trás sua vida antiga, trabalhando como voluntária em uma ONG. Ambos lutam para sair do impasse que são suas vidas. Até que o destino os reúne.

“Voir du Pays”: Depois de uma missão no Afeganistão, um grupo de jovens militares tira três dias de folga num hotel cinco estrelas em Chipre, em meio a turistas de férias, antes de voltar para a França. Durante as sessões de apoio psicológico com realidade virtual, revela-se a violência que os soldados experimentaram.