sombra

“Sombras da Noite” é uma produção, a qual possui todos os ingredientes para se tornar cult um dia, mesmo com as muitas falhas que o filme apresenta.
Embora seja do gênero comédia com terror, o filme não apresenta nenhum sinal para bons sustos. De certa forma, é o que torna divertido, não necessariamente bom.
A história gira em torno de Barnabas Collins, um poderoso comerciante de uma cidade que foi amaldiçoado por uma bruxa, a qual teve seu amor não correspondido por aquele. Barnabas acaba sendo transformado em vampiro sanguinário. É trancado e enterrado vivo, sendo despertado mais de 200 anos depois. Ao retornar em outra época, tenta resgatar a imagem da sua família e tirar o poder comercial das mãos de mesma bruxa que o amaldiçoou e que ainda desperta a mesma paixão por Barnabas.
O personagem de Johnny Depp, assim como todos os outros dos filmes de Tim Burton, é formado pelos elementos da excentricidade e é, exatamente, isso que o torna tão especial e, ao mesmo tempo, único. Entretanto, o que vemos de tão bom no personagem de Depp, vemos de tão mal aproveitado em relação aos outros personagens do enredo. Tal fator foi responsável pela desvalorização até certo ponto deste filme, sem falar nas cenas que deixavam a desejar e um final mais do que incompleto. Pontos estes decepcionantes, algo que raramente é visto nos filmes do mesmo diretor.
Em seu favor, existem sim elementos que são utilizados, não para desenvolver o filme em si, mas para entreter o telespectador, além das cenas cômicas. A trilha sonora do sempre maravilhoso Danny Elfman é algo poderoso e que faz diferença nos filmes de Burton, sem falar das canções de Berry White, The Carpenters e do grande Alice Cooper (que também participa do filme), que trazem melhoria para o filme.
Com certeza, não se pode ignorar o esforço de Eva Green para fazer do seu personagem um importante fator para o desenvolvimento da história, mas a sua seriedade e, diga-se de passagem, sua antipatia, dificultam um pouco o seu trabalho. Eva é daquelas atrizes que precisam de algo incomum, ou seja, algo completamente diferente daquilo que já fez para ela tenha o reconhecimento que tanto merece.
Chloë Grace Moretz é o objeto surpresa da trama. Pode se dizer que ela é o pontinho mais do que especial que contribui para o melhoramento da história e mesmo não sendo um personagem tão importante o seu carisma e talento fazem grande diferença para o real destaque de outros personagens como o da atriz Michelle Pfeiffer, a qual faz a mãe da personagem de Moretz.
Filmes como Sombras da Noite, mesmo não tendo atingido o verdadeiro potencial do diretor Tim Burton, considerado por muitos como o verdadeiro mestre da fantasia, com certeza contribuirá para muitas outras produções do gênero, seja deste diretor ou de outros que o seguem na mesma área.