Que época para ser fã de Star Wars! Desde seu resgate com “O Despertar da Força” (2015) – lançado após uma década do último filme – a franquia (uma das mais bem-sucedidas da história do cinema mundial) ganhará um novo episódio a cada ano. Depois de “Rogue One”, que fez uma “ponte” entre os episódios III e IV no ano passado, a franquia continua seguindo em frente com o oitavo capítulo da saga, intitulado de “Star Wars: Os Últimos Jedi”.

A esperança e o equilíbrio no universo

Dirigido por Rian Johnson, responsável pelos considerados pior e melhor episódios da famosa série “Breaking Bad” (“Fly” e “Ozymandias”), o filme segue a partir do exato momento em que Rey (Daisy Ridley) encontra o agora mestre Jedi Luke Skywalker (Mark Hamill), para convencê-lo a se unir à Resistência, que permanece sendo perseguida e eliminada pelo Império (conhecido como “Primeira Ordem”) do cruel Líder Supremo Snoke (Andy Serkis).

Outros personagens importantes dos dois lados dessa guerra também estão de volta, como Leia (Carrie Fischer), Finn (John Boyega) e Poe (Oscar Isaac), do lado da Resistência, e o General Hux (Domhnall Gleeson) e Kylo Ren (Adam Driver) – derrotado pela novata Rey no último filme – pelo lado negro da força.

Felizmente, é seguro afirmar que “Os Últimos Jedi” é mais um acerto da franquia. O filme evoca alguns temas recorrentes na série, como a luta entre o bem e o mal, mas também esperança e a importância do equilíbrio no universo. Como o título sugere, o longa é mais focado em Rey e Luke, mas aproveita para expandir melhor seus coadjuvantes. Poe, por exemplo, é retratado como um piloto talentoso e corajoso, mas que frequentemente desobedece ordens, e isso pode ser um problema. Há também uma bela homenagem a personagem Leia, por tudo o que ela representa no universo.

A descida ao abismo de Kylo Ren, Rey e… Luke?

Entretanto, meu assunto favorito explorado pelo filme é o dilema interno de Kylo Ren, no conflito entre dar ouvidos ao pouco de humanidade que ainda lhe resta ou mergulhar de vez no abismo sombrio da força – uma jornada semelhante a que seu avô Darth Vader trilhou ao longo dos primeiros filmes (que explorarei melhor em outro texto especial). Por sua vez, Rey quer descobrir como usar a força que se encontra dentro dela e Luke é o único que pode ensina-la. No entanto, seu conflito é estar desacreditado na fé Jedi, vivendo em exílio por ter medo de ensinar como se controla um grande poder, haja vista que falhou com o próprio Kylo Ren, o perdendo para o outro lado.

O medo é provavelmente o elemento mais importante em Star Wars. Foi ele que transformou Anakin Skywalker em Darth Vader. Segundo o próprio Yoda: “o medo da perda é o caminho para o lado sombrio”. Criado apenas pela mãe, desde pequeno Anakin teve medo de perde-la e isso virou uma obsessão, o transformando gradativamente. O que o torna um dos maiores vilões da história do cinema é que sua transformação é bastante compreensível. Todos nós tememos nossa própria morte e das pessoas que amamos, por isso é fácil a identificação. Como um dos princípios do Taoismo (cujo símbolo mais famoso é o Yin Yang), o equilíbrio é fundamental, pois o mal e o bem sempre coexistirão e se quem detém grande poder não se controlar, será severamente consumido pelo o lado negro da força. E isso cria uma estranha conexão entre Kylo e Rey, assombrando Luke cada vez mais.

Apesar de um tanto genérica, a direção de Rian Johnson é eficiente, principalmente nas cenas de ação. Ele constrói uma abertura completamente tensa, carregada de ação e dramaticidade mostrando como muitas vezes precisamos recorrer ao sacrifício por um bem maior. Segundo um próprio personagem: “Não vencemos enfrentando quem odiamos, mas salvando a quem amamos”. O filme tem um tom de humor bastante inesperado, mas que combina bem na maioria das vezes e apesar de contar com várias referências para fãs, deve funcionar muito bem como aventura para novos espectadores.

 

 

Desnecessariamente cansativo

No entanto, “Os Últimos Jedi” está longe de ser perfeito. É o mais longo da franquia, com 2 horas e 32 minutos de extensão e o espectador acaba sentindo essa longa duração graças a algumas sequências que parecem “barrigas” de roteiro (o qual eu questiono algumas decisões também), pois não contribuem diretamente para o avanço da história, mas soam como um desvio “desnecessário” das tramas principais que o filme desenvolve – como a do cassino, por exemplo.

Com exceção dos dilemas já aqui mencionados, algumas subtramas de personagens também parecem “sobrar”, como a relação confusa e repentina de Finn com Rose (Kelly Marie Tran) e as contribuições de Benício Del Toro e Laura Dern, que agregam pouco. Essas idas e vindas tornam o filme mais cansativo e com muita informação, dificultando a absorção do espectador. É complicado ser mais objetivo sem soltar algum spoiler, mas é importante ressaltar que para este capítulo ser realmente inesquecível, era necessária mais coragem e tomadas de decisões mais drásticas, porém, os realizadores optaram por arriscar pouco.

Tecnicamente nostálgico e emocionante

Mais uma vez, John Williams entrega uma trilha sonora espetacular, resgatando temas e elementos que ele mesmo criou para o filme original e conseguindo ambientar cada minuto do longa de maneira impressionante, um misto de nostalgia e emoção. Os efeitos visuais são convincentes e mais uma vez se destacam, lembrando que “O Despertar da Força” foi indicado a cinco Oscars – apesar de eu acreditar ser superior em vários aspectos com relação a “Os Últimos Jedi”, incluindo edição e as categorias de som.

Não poderia deixar de mencionar o uso de cores, marca registrada desde “Uma Nova Esperança”, lançado em 1977. As cores na franquia sempre foram usadas para expressar dualidade, reforçando o tema principal do filme que é a luta do bem contra o mal. Darth Vader e seus generais se vestiam quase totalmente de preto, enquanto Luke e Leia usavam branco, a cor antagônica. Han Solo usava branco, mas com um colete escuro, ressaltando seu lado “bad boy”.

Mesmo os Stormtroopers eram brancos, mas com camadas pretas sutis por baixo da armadura, sugerindo que por trás da fachada de “ordem e segurança”, estavam ocultos os verdadeiros objetivos maldosos do Império. Aqui em “Os Últimos Jedi”, o branco pode muito bem representar a esperança, pois é uma cor cada vez mais escassa. Na própria Resistência, o bege e o cinza predominam, como se a esperança estivesse acabando. Nesse sentido, o filme se aproxima bastante de “O Império Contra-Ataca”, aquela trama onde o mal finalmente parece que vai vencer.

Concluindo, “Star Wars: Os Últimos Jedi” é um capítulo que faz jus ao importante título que carrega. Mesmo um pouco atrapalhado e maçante por várias subtramas que parecem que giram em círculos e não chegam a lugar algum, é inegável a qualidade técnica da produção e a forma como consegue homenagear sua franquia sem ficar o tempo inteiro se apegando ao passado. Por mais que pudesse ter sido mais ousado, com o apoio da incrível entrega de Adam Driver e Daisy Ridley, o resultado é mais um passo certo rumo ao futuro, divertindo, emocionando, surpreendendo e (eu espero) concebendo mais um vilão que ficará imortalizado na história do cinema.

E você, já assistiu ou está ansioso para ver? Concorda ou discorda da análise? Deixe seu comentário ou crítica (educadamente) e até a próxima!

Para mais comentários sobre filmes, sigam-me nas redes sociais:

https://www.instagram.com/danilo_calazans/

https://www.facebook.com/calazansdanilo

https://twitter.com/danilo2calazans