08 copy

25 de maio foi o dia do “Orgulho Nerd”, data escolhida para comemorar a estreia do primeiro filme da série “Star Wars”, o Episódio IV, em 1977 e também é comemorado o “Dia da Toalha”, para os fãs de “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, em homenagem ao seu escritor Douglas Adams.

“Superbad” é uma comédia dirigida pelo diretor norte-americano Greg Mottola (“Paul, o Alien Fugitivo”, de 2011). No elenco, nomes na época emergentes, mas que hoje já contam com um bom número de fãs, como Jonah Hill (duas vezes Indicado ao Oscar), Seth Rogen, Michael Cera e Emma Stone.

Se o sonho de todo pobre é ser rico, talvez o sonho de todo nerd deve ser “descolado” ou pelo menos, notado. O cinema nos mostrou através de sua história, que os jovens nerds tem lugar em todos os estilos de filmes. Do terror a comédia, conhecemos grandes personagens, como o gente boa George McFly (De Volta Para o Futuro), os inteligentes Brian Johnson (O Clube dos Cinco) e Hermione Granger (Harry Potter),os que se tornaram super-heróis Peter Parker (Homem-Aranha, lógico!) e Dave Lizewski (Kick-Ass) e o sarcástico balconista de locadora Randy Meeks (Pânico), entre muitos outros, é claro…
“Superbad” é uma comédia adolescente, com classificação indicativa para maiores de 18 anos, devido ao vocabulário profano e absurdo que sai das bocas destes jovens que, de forma desajeitada, procuram entender sobre assuntos que entram pelos seus ouvidos, surgem nas suas cabeças e pulsam por seus hormônios. Na verdade, é uma fábula sobre a transição da adolescência para a vida adulta, e como todas as transições, é uma busca muitas vezes instável e experimental (sendo que, quanto mais dependente o adolescente for, mais difícil esta transição deve ser), e que neste caso conta a história de três amigos que procuram adaptar-se a uma nova situação (a saída do ensino médio e a incursão na faculdade), além de tentarem descobrir qual papel devem assumir no seu novo grupo social, levantando mais uma vez a velha questão sobre a relação entre a perda da virgindade e o amadurecimento. Mas também é uma comovente história de verdadeira amizade.
Seth (Jonah Hill) e Evan (Michael Cera) são os dois melhores amigos. Fazem praticamente tudo juntos desde que se conheceram ainda na infância, mas passaram para faculdades diferentes e, apesar de negarem, começam a interiormente se desesperar por saber que perderão um ao outro. O que torna esta dupla tão especial é o fato de suas personalidades serem bastante opostas, enquanto Seth é desbocado e rebelde, Evan é sereno e educado. Completa o trio o “nerd clássico” Fogell (Christopher Mintz-Plasse, de Kick-Ass), magrelinho e “quatro-olhos”, prestes a retirar sua identidade falsa, que encomendou. A tensão aumenta entre Seth e Evan porque Fogell passou para a mesma faculdade de Evan, causando grande ciúme em Seth. Ao serem convidados por Jules (Emma Stone, em sua estreia no Cinema) para uma festa na casa dela, Seth se compromete em levar as bebidas, aproveitando a identidade falsa de Fogell. É aí que os jovens aprenderão, por meio de situações absurdas e engraçadíssimas, valiosas lições sobre a vida adulta, como crime e sexualidade.
Surpreendentemente um filme com uma ideia inicial tão comum, habilmente equilibrou as confusões em excesso da turma com grosseria e sinceridade e de forma autêntica mostrou a genuína amizade e como é difícil perdê-la. Abordando tabus como a dificuldade de alguém não popular na escola conseguir a admiração do sexo oposto e as “convenções sociais” que devem cumprir para ganhar “respeito” e sair de vez da lista dos nerds. Mas no fundo ambos sabem que a faculdade é um lugar de mudança de postura, e que uma amizade, se verdadeira, pode resistir uma vida. Enquanto isso, Fogell se aventura pelo submundo dos policiais que não passam na TV, dois verdadeiramente irresponsáveis ​​(Bill Hader e Seth Rogen), dando um péssimo mal exemplo, mas que infelizmente não podemos negar sua existência. Brilhantemente escrito por Seth Rogen e Evan Goldberg, Superbad dá um novo frescor ao cansado gênero das comédias adolescentes, garantindo gargalhadas e admiração. Eu, nerd que também sou, recomendo totalmente!