Tirando o Atraso

Vez por outra, atores gostam de se divertir em projetos, sendo eles comédias ou não. Em uma certa altura da carreira, alguns astros que já não tem nada mais o que provar deleitam-se em produções leves e despretensiosas. Robert De Niro há anos ficou num limbo criativo “pós-Martin Scorsese” que gerou algumas boas, outras irregulares produções, como ‘Máfia no Divã’ (1999) e ‘Entrando Numa Fria’ (2000).

Tirando o Atraso 1

O problema real só existe quando somente o elenco se satisfaz, o roteiro desanda e a direção se deixa levar por tendências fáceis ou grotescas do momento. Aí temos um filme do nível deste ‘Tirando o Atraso’. Ele se aproveita de outras produções mais criativas e bem-sucedidas, como o brilhante ‘Vovô Sem Vergonha’, criação da turma de Jackass, que faz um híbrido de sketchs de rua ao estilo de pegadinhas, mas com um roteiro convencional, ou da franquia ‘Se Beber Não Case’ e sua receita de exageros e personagens descompensados.

Dick Kelly (Robert De Niro), um ex-militar que fica viúvo pede carona até Boca Raton na Flórida ao seu neto Jason (Zac Efron), um quadrado advogado burguês do tipo que usa camisa polo, escolhida por sua noiva, que também comanda toda sua agenda e masculinidade em contrapartida.

Pronto, esta é a desculpa do fraquíssimo roteiro de John Phillips para carregar a tela dos mais absurdos excessos possíveis. Masturbação, consumo de crack, maconha, competições universitárias bobocas, brigas em baladas regadas a racismo, xenofobia, homofobia e uma ridicularização da polícia da Flórida em relação a sua política antidrogas. Se qualquer destes artifícios contribuísse para a história, tudo bem, este não é um comentário politicamente correto, mas simplesmente, personagens e situações são jogadas em momentos desconexos do filme. Alguns são simplesmente inúteis e forçados.

Tirando o Atraso 3

Robert De Niro é uma colagem mal feita do personagem de Johnny Knoxville, um velhinho obcecado por curtição após 40 anos de um casamento fiel e convencional. Não existe química entre ele e Zac Efron, que aliás só é engraçado quando citado por outros personagens por seu visual de boneco Ken da Barbie.

Em suma, ‘Tirando o Atraso’ é talvez o maior mico da carreira de De Niro, e até agora o pior filme do ano a meu ver.

Tirando o Atraso 4