SINOPSE

O longa conta a história real de Robin, um homem brilhante e aventureiro que muda totalmente de vida depois que fica com paralisia por conta da poliomielite. Apesar disso, ele e sua mulher Diana se recusam a ficar em casa sofrendo e viajam o mundo ajudando a mudar a vida das pessoas com entusiasmo e bom humor.

FICHA TÉCNICA

Direção:

Andy Serkis

Roteiro:

William Nicholson

Gênero:

Drama, Romance

Produção:

Jonathan Cavendish, Ron Ames, Jane Robertson

Elenco:

Andrew Garfield, Claire Foy, Hugh Bonneville

Nacionalidade:

Reino Unido

Ano de Produção:

2017

Data de Lançamento:

16 de novembro de 2017

Distribuição:

Diamond Pictures

CLASSIFICAÇÃO

Direção:

Roteiro:

Fotografia:

Trilha-Sonora:

Efeitos Visuais:

Efeitos Especiais:

Direção de Arte:

Elenco:

Montagem:

Figurino:

Maquiagem:

O acelerado avanço da medicina no século XX possibilitou à geração do século XXI uma considerável redução do estado de atenção com alguns aspectos de saúde pública. Dessa forma, não há somente uma menor preocupação com a AIDS, por exemplo, mas também o total desconhecimento sobre a história de doenças que já não são habituais, como a poliomielite. Esta, em especial, é abordada em “Uma Razão para Viver”, primeiro longa dirigido por Andy Serkis. Apesar do cunho dramático do tema, e o título traduzido ser pouco animador (o original é “Breathe”, “Respirar” em tradução livre), o filme surpreende não só por abordar a história com uma visão otimista, sem espaço para explorar a tristeza, como também por apresentar com muita eficiência um dos capítulos da história da saúde mundial, mostrando, sem apelações, o quão desumana a medicina pode ser.

O filme conta a história real da vida de Robin Cavendish, um britânico que ainda jovem foi acometido pela poliomielite. Paralisado do pescoço pra baixo e com a respiração dependente de um aparelho, Robin começa uma verdadeira “jornada do herói” em busca da melhoria de sua qualidade de vida. Essas premissas certamente afastarão muitos espectadores que imaginam tratar-se de um filme dramático e tenso, porém a incrível produção é leve e consegue agradar até mesmo aqueles que passam longe dos filmes que levam as pessoas as lágrimas, e inclusive este pode até tirar algumas leves risadas do público.

Certamente a escalação de Andrew Garfield foi uma das responsáveis por dar este agradável tom a obra. Com o seu sorriso simpático e espírito jovial, o ator se destaca por flutuar entre as cenas cômicas e dramáticas, sustentando a sua atuação somente com as expressões faciais, já que o personagem é tetraplégico. Ele já tinha mostrado todo o seu potencial nos recentes Silêncio e Até o Último Homem, e conseguimos enxergar e acreditar em toda a determinação e fortes convicções que são comuns entre os personagens interpretados por Garfield. Distanciando-se dos blockbusters, o ator encontrou o seu lugar no cinema.

No longa também temos Claire Foy, atriz conhecida pela série de TV “The Crown”, que interpreta a esposa de Robin, Diana Cavendish. A personagem é o ponto chave da trama, uma vez que a sua persistência e paixão é o move a história. Há química na relação da atriz com Andrew, e a forma que os fatos são apresentados também encaixam o filme na categoria romance, sem exageros e altas declarações o que vemos na tela é uma sincera história amor.

O elenco do filme ainda guarda algumas surpresas, uma delas é Tom Hollander (e não Holland). O ator é provavelmente mais conhecido por seu papel na franquia Piratas do Caribe”, onde interpreta Lorde Becket, um personagem sem o menor carisma. Mas neste filme, interpretando os dois irmãos gêmeos de Diana, o ator incorpora os verdadeiros cunhados, que conseguem chamar a atenção do público com uma atuação levemente cômica que nos lembra a relação entre os irmãos Tweedledee e Tweedledum, do clássico livro de Lewis Carroll. Também contamos com a presença do irreverente e elegante Hugh Boneville, conhecido por “Downton Abbey”, responsável por caracterizar ainda mais o filme como uma obra de origem inglesa.

Ao final da película, fica muito claro que Andy Serkis terá uma longa e brilhante carreira como diretor, já que em seu primeiro trabalho ele consegue transformar um filme que teria tudo para ser apenas mais um filme dramático, em um filme motivador, bonito e ao mesmo tempo questionador. É no mínimo curioso que o seu primeiro trabalho como diretor envolva o destaque para uma atuação puramente facial, uma vez que sua carreira foi alavancada por sua maestria na captura de performance (“Senhor dos Anéis”, “Star Wars”, “Planeta dos Macacos”).

Andy ainda consegue trazer a sutil indagação acerca das soluções médicas para alguns problemas. Por exemplo, hoje, podemos nos chocar com a total falta de habilidade dos médicos e profissionais da saúde para lidar com um simples problema de calcificação na vesícula, já que a solução encontrada por eles na maioria das vezes é a retirada da total vesícula, causando uma série de desconfortos e inconvenientes para o indivíduo. Quando projetamos essa característica para problemas maiores, como a poliomielite no filme, vemos soluções completamente absurdas, como o “Pulmão de Ferro”, que confina o indivíduo acometido pela doença num caixão que exerce pressão negativa sobre o tórax, possibilitando a respiração, e assim que o indivíduo consiga viver. Porém é uma condição paradoxal, afinal ficar deitado e preso dentro de um caixão para que sobreviver, não é propriamente ter uma vida. Assim, a história de Robin nos mostra que nem sempre a opinião dos médicos será a melhor, e quem se quisermos fazer algo, temos total liberdade e capacidade de ir atrás e conseguir.

Já nos créditos finais do filme, descobrimos que o produtor do filme, Jonathan Cavendish, é o filho de Robin e Diana, que produziu a obra em homenagem aos pais. A revelação nos aproxima ainda mais da história, já que Jonathan representa a ligação que manteve unido o casal e possibilitou tamanho desenvolvimento no tratamento da poliomielite. Na carreira do produtor temos filmes conhecidos, como “Bridget Jones” e “Elizabeth: A Era de Ouro”, e o vindouro “Jungle Book”, adaptação que contará também com a direção de Andy Serkis.

Com estreia marcada para 16 de novembro, “Uma Razão para Viver” é a melhor opção para aqueles que não curtem os super-heróis nos cinemas, e também uma boa pedida para os fãs da justiça conhecerem a história de um herói de verdade, e refletirem sobre os problemas do mundo real com um filme que não peca nos excessos.