SINOPSE

Marta e Manu são duas jovens atrizes em crise com a profissão. A fim de se reinventarem, decidem encarar o inverno russo para se aprofundar na famosa técnica Stanislavski de interpretação. Entre nevascas, brigas, paixões e muitos litros de vodca, suas personagens acabam por extrapolar os limites da cena e da amizade, fazendo com que sejam constantemente testadas pelo rigor do teatro e por uma Rússia majestosa e difícil.​

FICHA TÉCNICA

Direção:

Charly Braun

Roteiro:

Charly Braun, Martha Nowill

Gênero:

Drama, Comédia

Produção:

Elenco:

Martha Nowill, Maria Manoella

Nacionalidade:

Brasil, Portugal, Rússia

Ano de Produção:

2017

Data de Lançamento:

27/04/2017

Distribuição:

VITRINE FILMES

CLASSIFICAÇÃO

Direção:

Item não avaliado

Roteiro:

Item não avaliado

Fotografia:

Item não avaliado

Trilha-Sonora:

Item não avaliado

Efeitos Visuais:

Item não avaliado

Efeitos Especiais:

Item não avaliado

Direção de Arte:

Item não avaliado

Elenco:

Item não avaliado

Montagem:

Item não avaliado

Figurino:

Item não avaliado

Maquiagem:

Item não avaliado

Em “Vermelho Russo”, Marta (Martha Nowill) e Manu (Maria Manoella), duas amigas, viajam para a Rússia para estudar o método Stanislavski de atuação. No entanto, algumas dificuldades como saudades de casa, um triângulo amoroso e algumas diferenças entre elas surgem como barreiras que vão precisar ultrapassar ao longo da estadia em Moscou.

Escrito e dirigido por Charly Braun (“Além da Estrada”), o filme foi realmente rodado na Rússia e venceu o prêmio de Melhor Roteiro no Festival do Rio 2016. O longa é praticamente um documentário e foi inspirado nas experiências da própria atriz e escritora Martha Nowill. “Vermelho Russo” é um filme bastante indicado para jovens atores e atrizes, ou pessoas que se interessam em conhecer métodos de atuação.

O filme mostra de maneira bem competente que a essência da atuação é derrubar seus próprios limites interiores, sair da sua zona de conforto. A atmosfera é contagiante e sabe expressar a excitação das amigas correndo atrás de seus sonhos, por meio de uma trilha sonora alegre e mostrando o lado bonito, educado e até acolhedor (ao seu modo) do povo russo.

Outro fator interessante é a personalidade distinta dos estudantes que frequentam o grupo de estudo. Uma delas quer ser atriz para ser amada pelas pessoas, e aceita papéis coadjuvantes por ser insegura com sua aparência. Uma outra é uma mulher muito bonita, que ganhou vários papéis por conta de sua aparência e agora quer quebrar essa “imagem” superficial, aceitando personagens mais desafiadores e profundos. E há outros exemplos também. Desta forma, os arquétipos representados são uma forma muito eficiente de gerar empatia com a plateia, e funcionam muito bem.

“Vermelho Russo” também acerta na concisão. Sua duração de 1h30m é mais que suficiente para contar a trajetória das amigas sem tornar a história maçante ou também os eventos parecerem “apressados” demais. A estrutura funciona porque a direção consegue criar um fluxo de tempo sempre plausível. Por mais que não aconteçam grandes eventos, há uma sensação de verossimilhança muito sincera, fruto da direção competente e das ótimas atuações do elenco.

O filme também conta com uma boa dose de conflito, fundamental para tornar qualquer história interessante. Ao contrário do esperado, o foco não está nas diferenças culturais entre os países, como a maioria dos filmes fazem. Em “Vermelho Russo”, o conflito interno das protagonistas é muito mais explorado, como problemas pessoais e profissionais. A viagem também serve para esclarecer e fortalecer a relação entre as duas, por meio de temas como rivalidade, ciúmes e etc.

Mais um destaque vai para as cenas com o professor russo. Suas cenas são muito bem decupadas, dando um ar de naturalidade e passando credibilidade nas dicas de atuação que ele dá aos alunos. Em outras palavras, o filme consegue traduzir o sentimento do que é viver outras vidas nos palcos e nas telas. Deve-se começar conhecendo a si mesmo, e depois de se compreender, olhar para o mundo.

Concluindo, “Vermelho Russo” é uma ótima opção para quem procura um bom filme nacional sobre método de atuação. Por mais que a produção explore pouco a rica e peculiar cultura russa, muito impactante em vários aspectos para o cinema nos seus primórdios, a história de Marta e Manu cativa pela ótima entrega das atrizes, além do tom divertido e envolvente da trama. Um filme simples, porém, muito bem realizado – e talvez seja justamente aí que resida seu charme.

E você, já assistiu ou está ansioso para ver? Concorda ou discorda da análise? Deixe seu comentário ou crítica (educadamente) e até a próxima!