A Grande Aposta

Em toda a história de Wall Street, é difícil imaginar que as bolsas de valores teriam uma queda tão significativa. No longa ‘A Grande Aposta’, dirigido por Adam McKay, o tema é abordado de forma burocrática, mas realista. O filme, que foi baseado no “best-seller” de Michael Lewis, ‘A Jogada do Século – The Big Short’ (2011), estreou, nesta quinta-feira (14), nos Cinemas de todo Brasil e foi indicado ao Oscar 2016 na categoria Melhor Filme.

Para que você entenda melhor, em 2008, os Estados Unidos sofreram uma crise financeira que afetou todo o mundo. O setor imobiliário causou uma recessão por causa das hipotecas “subprime” – empréstimos concedidos a pessoas que não tinham condições de pagarem as prestações da casa própria. No meio dessa catástrofe financeira, surgem investidores de Wall Street envolvidos com esse tipo de hipoteca, como Ben Hockett (Brad Pitt), Michael Burry (Christian Bale), Greg Lippmann (Ryan Gosling) e Steve Eisman (Steve Carell).

A Grande Aposta

Nesse sentido, o diretor nos faz acompanhar os bastidores do mercado das ações com um olhar perspicaz e a entender como algumas pessoas lucraram com os montantes das hipotecas por conta da valorização do mercado financeiro, que, na época, havia entrado em colapso. Sendo assim, a crise imobiliária tornou-se uma oportunidade de crescimento financeiro.

É importante destacar que o diretor tentou explicar esse “colapso” de uma forma simples. Entretanto, utilizou muitos recursos técnicos como os termos utilizados em Wall Street para exemplificar, podendo de alguma forma confundir a cabeça do espectador. É claro que os economistas ou até mesmo os entendedores simpatizarão com o roteiro e toda a atmosfera criada no longa.

A Grande Aposta 2

Ao mesmo tempo, o diretor faz uma sátira ao filme ‘O Lobo de Wall Street’, de Martin Scorsese, na qual utiliza a atriz Margot Robbie para explicar os termos mais utilizados no mercado financeiro. Não é de se surpreender, mas a moça aparece como ela mesma e sem muita finalidade. Mas não para por aí, no ápice do filme, a cantora Selena Gomez também faz sua participação com o mesmo propósito. É notório que a presença das duas é uma forma de descontrair, mas também é preciso admitir que afasta o espectador do real objetivo do filme.

Por outro lado, Michael Burry, vivido por Christian Bale, é um jovem executivo, dono da sua própria empresa de investimentos, fã de heavy metal e um pouco tímido por ter um olho de vidro. Seu personagem passa a imagem de um cara desacreditado e com essa limitação tende a convencer, tanto que o ator foi indicado ao Oscar na categoria “Melhor Ator Coadjuvante”.

A Grande aposta 3

O oportunista Jared Vennett, interpretado por Ryan Gosling, é um destaque no filme. Por meio dele é que todas as transações estão conectadas. Gosling está irreconhecível com seus cabelos negros encrespados e sua iniciativa. O personagem é o típico aproveitador, que se dá bem no final. Desta forma, como não é exigido muito do ator, Gosling se saiu bem no longa.

A atuação de Steve Carell é competente, seguindo a mesma linha de seu personagem em ‘Foxcatcher – Uma História que Chocou o Mundo’. Longe de comédias escancaradas desde que assumiu a produção de ‘The Office’, série que protagoniza, Carell tem investido em atuações mais sérias e centradas, assim como fez Brad Pitt. Ben Rickert, personagem de Pitt, é um exemplo de que o ator está mudando sua forma de atuar. Ao interpretar um “guru” de dois jovens, Pitt pode ser facilmente comparado a um “pai de família”, que se preocupa e dá oportunidade aos filhos. A caracterização do personagem é também uma comparação à sua fase atual e pessoal.

A Grande Aposta 4

De acordo com a proposta do filme também se torna desnecessário a utilização de um interlocutor – Ryan Gosling – para explicar o roteiro. De alguma forma, esse recurso quebra a narrativa, tornando-o cansativo e comparando as cenas em que o ator aparece a um comercial de margarina. Além disso, a edição do filme em alguns momentos é imprevisível, parecendo amadora. A câmera chacoalhando e os cortes bruscos, evitam que o espectador se concentre em uma cena, gerando a incerteza do entendimento da mensagem passada no respectivo frame.

Apesar de alguns detalhes técnicos, a ótima trilha sonora, típica da época, vem abrilhantar o longa, que parecia ser um equívoco. Marcada por ‘Feel Good Inc.’ da banda Gorillaz e pelas bandas Guns N’Roses e Nirvana, que mesmo não sendo da época, se enquadram à proposta do filme.

Mesmo para quem não entende muito de economia, ‘A Grande Aposta’ vale a pena pelo o elenco e a trilha sonora presentes no filme.