SINOPSE

Aos 80 anos, Claude Lherminier (Jean Rochefort) ainda mantém sua imponência, apesar de ser cada vez mais frequente seus esquecimentos e ataques de confusão. Um estado que ele se recusa em admitir. Carole (Sandrine Kiberlain), sua filha mais velha, trava uma batalha diária e desgastante para cuidar do pai. E, por um capricho, Claude decide viajar até a Flórida, deixando no ar qual seria o motivo dessa viagem repentina. Do diretor de AS MULHERES DO SEXTO ANDAR e PEDALANDO COM MOLIÈRE.

FICHA TÉCNICA

Direção:

Philippe Le Guay

Roteiro:

Roteirista: Jérôme Tonnerre, Roteirista: Philippe Le Guay, Autor da obra original: Florian Zeller, Dialoguista: Jérôme Tonnerre

Gênero:

Comédia dramática

Produção:

Produtor: Jean-Louis Livi, Produtor Associado: Francis Boespflug

Elenco:

Jean Rochefort, Sandrine Kiberlain, Anamaria Marinca

Nacionalidade:

França

Ano de Produção:

2015

Data de Lançamento:

11 de agosto de 2016 (1h 50min)

Distribuição:

Mares Filmes

CLASSIFICAÇÃO

Direção:

Roteiro:

Fotografia:

Trilha-Sonora:

Efeitos Visuais:

Item não avaliado

Efeitos Especiais:

Item não avaliado

Direção de Arte:

Elenco:

Montagem:

Item não avaliado

Figurino:

Maquiagem:

AVdMP

Claude Lherminier (Jean Rochefort) por uma deficiência gradativa na memória está preso a fatos de sua infância, perdas recentes de sua vida madura, no alto de seus mais de 80 anos e enclausurado em sua bela propriedade sobre serviços de enfermeiras, que ocasionalmente ele mesmo cria formas de expurgá-las de seu convívio, lutando para ter autonomia de sua velhice.

O tom dado a este filme oscila entre um drama sensível e uma leve comédia, mas a liga para não cair na pieguice está no carisma do veterano ator Jean Rochefort, que dá formas simpáticas de conquistar o público, mesmo sendo às vezes caricato, criando um personagem ranzinza, mas boêmio. A direção de Philippe Le Guay ao mesmo tempo que constrói a história de nosso personagem através de flashbacks, também quer delimitar a perda gradual e inevitável de suas lembranças, aquilo que dá liga ao seu caráter.

AVdMP1

Crédito: Divulgação

Para os que o rodeiam, sua filha Carole (Sandrine Kiberlain) ou seu neto Robin (Clément Métayer) fica a dificuldade da decisão de como gerenciar o declínio de alguém que já teve total controle de seu legado, pois Claude era um grande industrial do papel, negócio assumido por sua filha.

O roteiro adaptado de uma peça, consegue nos carregar através de alguns pontos simbólicos, como a obsessão de Claude por relógios, seu apego a figura da filha que vivia na Flórida, por isso o suco de laranja é sua ligação afetiva a ela, e seu carro antigo aliado e cantadas ocasionais à garotas, empregadas e enfermeiras são reafirmação da masculinidade perdida com o tempo e a dependência das mulheres em sua vida.

AVdMP2

Crédito: Divulgação

Mas talvez pelo excesso de mecanismos que a produção se atribui para nos contar um problema tão essencial quanto este, deixa o filme cansativo, o que necessitaria de menos tempo de projeção, mas no fim o conjunto das boas atuações e um personagem central carismático nos levam até o objetivo.

Não é a primeira vez que vemos o tema Amnésia, ou Alzheimer ser abordado, mas a direção deste interessante filme humaniza gradativamente cada momento de perda, mesmo que tentando divertir ao mesmo tempo. Vale o ingresso.

AVdMP3

Crédito: Divulgação