SINOPSE

critica-sub

Superar o ‘Frankenstein’ de James Whale, lançado em 1931 é praticamente impossível, se bem que a palavra “impossível” não consta no dicionário dentro do universo cinematográfico, não mesmo. Porém, as experiências com o Moderno Prometeu de Mary Shelley após o filme de 1931 não foram lá muito bem aceitas, um exemplo recente é o péssimo ‘Frankenstein – Entre Anjos e Demônios‘, protagonizado por Aaron Eckhart.

Frankenstein

Eis que então chega às telonas ‘Victor Frankenstein’, protagonizado pelos excelentes Daniel Radcliffe e James McAvoy, com uma proposta diferente: colocar como o centro da atenção não a criatura, e sim o criador. Essa proposta, por sua vez, tem seus riscos, pois foge totalmente de ser uma adaptação fiel à história original. Enfim, o filme começa e a expectativa é grande.

maxresdefault

Daniel Radcliffe, que interpreta o corcunda sem nome, traz aos primeiros minutos do longa uma atuação interessante e verdadeira, bem diferente do que já havia feito antes. O corcunda é a aberração de um circo, comandada por um homem ignorante e sem escrúpulos. Eis que então, em um dia qualquer, Victor Frankenstein, interpretado por James McAvoy, decide visitar o circo, e acaba encontrando o corcunda sem nome, no momento em que o mesmo apresentava suas habilidades com a medicina.
A partir daí a história ganha ritmo, Victor decide libertar o corcunda e levá-lo à Londres, onde poderia ajudá-lo à concluir o seu sinistro plano de criar vida. O corcunda ganha o nome de Igor Straussman e vira o grande amigo de Frankenstein.

Victor-Frankenstein

As atuações de Radcliffe e McAvoy são indiscutíveis. A interpretação do corcunda de Daniel é real, e o obsessivo Victor Frankenstein de James é louco e fanático, o ator consegue levar ao público essa loucura de seu personagem.
A direção de arte é ótima, cria uma ambientação típica londrina, e traz uma melancolia interessante para o enredo.

maxresdefault (2)

Mas, nem tudo sempre é uma maravilha quando se trata de produções cinematográficas. ‘Victor Frankenstein’ começa bem, mas perde o encanto muito rápido. O filme conta com personagens totalmente desnecessários e só protagonizam cenas cansativas. Um bom exemplo é o detetive Roderick Turpin, que só serve para tentar atrapalhar os planos de Victor e cansam o espectador, afinal Igor já tem esse papel de alertar Victor dos riscos de sua experiência.

maxresdefault (1)

Paul McGuigan definitivamente não acertou na dose em sua direção. Uma maneira de se certificar disso é perceber que o filme tem menos de duas horas de duração, mas parece que tem três.