SINOPSE

Anos após a trágica morte de sua filha, um habilidoso artesão de bonecas e sua esposa decidem, por caridade, acolher em sua casa uma freira e dezenas de meninas desalojadas de um orfanato. Mesmo ainda atormentado com as lembranças da filha, o casal terá que lidar com um amedrontador demônio do passado: a boneca Annabelle, criação do próprio artesão.

FICHA TÉCNICA

Direção:

David F. Sandberg

Roteiro:

Gary Dauberman

Gênero:

Terror

Produção:

Warner Bros., New Line Cinema

Elenco:

Miranda Otto, Anthony LaPaglia, Stephanie Sigman, Lulu Wilson

Nacionalidade:

EUA

Ano de Produção:

2017

Data de Lançamento:

17/08/2017

Distribuição:

Warner Bros.

CLASSIFICAÇÃO

Direção:

Roteiro:

Fotografia:

Trilha-Sonora:

Efeitos Visuais:

Efeitos Especiais:

Direção de Arte:

Elenco:

Montagem:

Figurino:

Maquiagem:

“ANNABELLE 2: A CRIAÇÃO DO MAL”

A ideia de uma sequência de um filme de terror bastante popular é sempre bem vinda para o público fã do gênero. O diretor sueco David F. Sandberg, que ganhou destaque com o singelo “Quando as Luzes se Apagam”, substitui John R. Leonetti (diretor de “7 Desejos”) que dirigiu o primeiro. Exatamente pelo jeito simples de se filmar, Sandberg se mostrou bastante dinâmico e simples ao filmar esta nova obra.

O filme, desde o trailer, se apresentou um tanto curioso ao ver que, na história, um grupo de meninas órfãs acaba se mudando para uma casa onde lá vivem os Mullins, um casal que 12 anos atrás, perdera a filha Annabelle (Samara Lee de “Foxcatcher – Uma História que Chocou o Mundo”) em um grave acidente. Samuel Mullins (Antony LaPaglia de “O Cliente”), um fabricante de bonecas vive uma vida modéstia ao lado de sua esposa Esther (Miranda Otto de “O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei”), que misteriosamente não sai do seu quarto, e decidem receber tanto as meninas quanto a freira responsável pelas mesmas, a irmã Charlotte (Stephanie Sigman de “007 Contra Spectre” e “Narcos”), tornando sua casa um novo orfanato para elas.

As coisas vão bem até Janice (Talitha Bateman de “A 5ª Onda”) descobrir o quarto onde vivia a filha dos Mullins e lá, encontrar misteriosamente uma boneca trancada em um closet. Deste modo, coisas estranhas começam a acontecer dentro da casa, deixando a entender que o fantasma da filha dos Mullins retornara dos mortos mas trazendo uma energia diabólica pronta para fazer mal a quem estivesse naquela casa. O objetivo da força maligna é mais aterrorizante do que se pode imaginar. James Wan que fez fama graças ao filme “Invocação do Mal”, o qual apresentou a boneca Annabelle ao público, assina a produção deste novo filme sequencia destra obra derivada do filme de dirigido por Wan.

TÍTULO DIFERENTE DO ORIGINAL

No Brasil, o filme ganhou o título de “Annabelle 2: A Criação Do Mal”, enquanto que o título original em inglês nada mais é do que “Annabelle – Creation”.

FALHAS NO ROTEIRO

Embora o filme seja repleto de bons sustos e um suspense aceitável, o enredo contem erros desconfortantes, bem como certos excessos, a começar pela entrada do título que é apresentado logo após o acidente da menina Annabelle ocorrer. Pareceu o anuncio de um filme trash norte americano tradicional. O primeiro filme, neste sentido, se apresentou bem mais sério do que sua sequência. Outra cena exagerada de “Annabelle 2” é a da entrada das meninas na nova casa com aquela música de fundo bastante desnecessária e animada demais para uma cena que poderia envolver mistério e um certo desconforto. Stephanie Sigman que está como a personagem principal, interpretando a irmã Charlotte, poderia ter tido uma atuação mais marcante. A atriz foi muito mal aproveitada no filme.

É verdade que filmes de terror combinam com a escuridão, ou seja, cenas que envolvem muito a ausência de luzes, mas o filme contem tantas cenas assim que acabou ficando escuro demais para o gosto do público, sem falar que em alguns momentos necessitava-se realmente de luz para poder enxergar um determinado ambiente.

Demônios se mostrando em em uma bela manhã de sol???!!! (Como assim??!!). Por falar em ausência de luz, uma cena gerou uma certa revolta aos fãs de terror, exatamente aquela em que a menina Janice é empurrada com sua cadeira de rodas até o celeiro. O problema é que isso acontece em plena luz do dia. Não tinha o menor problema um fantasma qualquer fazer isso mas um demônio andar debaixo da luz do sol? Isso não é algo que se vê em todo filme de terror.

O mistério da foto das 4 freiras:

Em uma determinada cena, o Sr. Mullins fica curioso com uma foto de quatro freiras em um convento onde a irmã Charlotte esteve. A mesma disse que conheceu e ficou muito tempo ao lado de três das quatro irmãs. Quando o Sr. Mullins pergunta quem era a quarta, Charlotte diz, com um tom desconfiado, que não chegou a conhecê-la e nem sabia o nome daquela. A cena provocou a curiosidade das pessoas que assistiam o filme que se perguntavam: “Pra quê tudo isso?”.

Mesmo que tal cena fosse uma deixa para um futuro filme que pudesse explicar a origem da foto, ela não precisava estar no filme, a não ser que mostrasse algum sentido para a história em andamento. A cena da foto pode ser facilmente esquecida mesmo sendo algo intrigante em filme posterior. Se realmente era pra estar no filme, que falasse um pouco mais.

COINCIDÊNCIAS DESCONCERTANTES: DUAS BONECAS

A sequência mostra uma boneca de porcelana típica da década de 50 e 60 que, por mais assustadora que pudesse ser, acabou sendo bastante popular entre as crianças. Curiosamente, são duas bonecas diferentes mas do mesmo tipo mostradas no primeiro e no segundo filme, o que acabou sendo um erro de produção, uma vez que é muita coincidência o mesmo tipo de boneca ser o personagem principal das duas histórias de terror, mesmos ambas serem pura ficção. Outro fato curioso é que, no segundo filme, é mostrado um outro tipo de boneca, Raggedy Annque é exatamente o mesmo modelo da boneca Annabelle de verdade.

EXPLICANDO O PRIMEIRO FILME MAS QUEBRANDO O ENREDO DE OUTRO

O presente filme acaba no fim explicando seu antecessor, trabalhando todos os detalhes daquela história macabra. O problema é que a sequência de “Annabelle” acaba atrapalhando o entendimento do enredo de “Invocação do Mal” que, de fato, mostra a história real por trás do mistério da boneca possuída. Explicando sem causar spoilers, em “Invocação do Mal” é falado sobre uma menina de 7 anos chamada Annabelle Higgins que morreu fazendo com que seu espírito entrasse na boneca.

Ocorre que, no primeiro filme “Annabelle” a referida Annabelle Higgins é uma mulher adulta e na sequência mostra da fato uma menina de cerca de 7 anos cujo o espírito entra na boneca, só que o sobrenome da mesma é Mullins. O fato realmente desconfortante é que os dois filmes sobre Annabelle são pura ficção que acabam contradizendo uma outra história baseada em fatos reais.

SEM JOSEPH BISHARA

Alguns leitores devem estar se perguntando: “Quem é esse cara?”. Bem, Joseph Bishara ou “Joe” Bishara, para os íntimos, é alguém que nunca vemos na tela com seu rosto verdadeiro, ou seja, nós o vemos e ouvimos mas nunca vemos ele de verdade! Esta última parte parece loucura  mas vamos lá! Se o público ficou aterrorizado com a principal figura macabra do filme “Sobrenatural”, ou com a bruxa de “Invocação do Mal”, o demônio Valek de “Invocação do Mal 2” e até mesmo com o demônio do primeiro filme “Annabelle”, bem como ficou amedrontado com as trilhas sonoras tenebrosas de todos esses filmes, então agora conhece Joseph Bishara. Ele tanto é responsável pela trilha sonora desses filmes como se voluntariou para fazer os personagens aterrorizantes de todos eles, é claro, debaixo de muita maquiagem. Em “Annabelle 2”, mesmo tendo na produção James Wan, que é muito próximo a Bishara, este ficou de fora tanto da produção da trilha sonora, bem como não repetiu o personagem macabro do primeiro filme.

DESTRUINDO “YOU ARE MY SUNSHINE” DE JIMMIE DAVIS

A citada música está presente em praticamente todo “Annabelle 2” por ser a favorita da menina fantasma. Ocorre que “You Are My Sunshine” é uma música cantada por muitos pais em todo o mundo desde quando foi lançada em 1939 e o fato de agora estar associada a um filme de terror, mais precisamente a uma entidade demoníaca, com certeza deve ter indignado muita gente mundo afora.

MULHER E O SEXO FRÁGIL

Como ocorre em 99% dos filmes de terror, a figura feminina é sempre a mais perseguida nas histórias e contos de terror, geralmente sendo tanto a mais agredida como também a que mais sobrevive encarando todos os desafios. Atualmente, se investe muito em crianças, mais meninas do que meninos, para encenarem filmes de terror. Não é diferente em “Annabelle 2” quando vemos a personagem de Janice como a mais perseguida e frágil, bem como a personagem Linda (Lulu Wilson de “Ouija 2 – Origem do Mal”) como a mais corajosa, e até um tanto engraçada ao enfrentar a força demoníaca no filme. Este fato está virando moda entre os grande realizadores do gênero terror e permanece bem visto pelo público em geral. Não dá pra saber se tal fato se tornará repetitivo demais a ponto de criar desgosto para este mesmo público.

FINAL ALTERNATIVO

Há uma apresentação bem singela e dando a entender um próximo filme, sem saber com certeza, se será sobre a boneca Annabelle ou um novo “Invocação do Mal”, onde uma presença maligna assombra um mosteiro na Romênia em 1952. O curioso é que se olhar bem atento para a figura escura, dá pra visualizar a imagem do rosto de uma freira (lembram da cena da foto das quatro irmãs? Quem sabe seja um sinal…). Por quê se faz referência também ao “Invocação do Mal”? Bom, se o público lembrar, o demônio Valek, do segundo filme é a figura macabra de uma freira. Se é um sinal de conexão entre as histórias só resta aguardar para conferir.