SINOPSE

Far’Hook é um jovem rapper que é forçado a deixar Paris por um tempo. Seu produtor, então, recomenda que o jovem artista passe um tempo com seu pai, Serge, um homem decidido a seguir os passos de Joseph Vernet, um famoso pintor francês.

FICHA TÉCNICA

Direção:

Rachid Djaïdani

Roteiro:

Rachid Djaïdani

Gênero:

Drama

Produção:

Anne-Dominique Toussaint

Elenco:

Gérard Depardieu, Louise Grinberg, Sadek

Nacionalidade:

Françes

Ano de Produção:

2017

Data de Lançamento:

13/07/2017

Distribuição:

Bonfilm

CLASSIFICAÇÃO

Direção:

Roteiro:

Fotografia:

Trilha-Sonora:

Efeitos Visuais:

Efeitos Especiais:

Direção de Arte:

Elenco:

Montagem:

Figurino:

Maquiagem:

Um dos sucessos do Festival Varilux, da França, foi o longa “Tour the France”, dirigido por Rachid Djaïdani. O longa traz no elenco o grande Gérard Depardieu, Louise Grinberg e jovem ator e rapper Sadek, que aos 27 anos, faz sua estreia nas telonas. “Tour the France” fala sobre tolerância em uma sociedade retrógrada e preconceituosa.

Far’Hook é um jovem rapper de 20 anos. Após um acerto de contas, ele é obrigado a sair de Paris por algum tempo. Seu produtor, Bilal, propõe a ele que o substitua e acompanhe seu pai Serge numa volta pelos portos da França, seguindo os passos do pintor Joseph Vernet. Apesar do choque de gerações e culturas, uma amizade improvável surge entre o rapper promissor e esse pedreiro do norte da França durante um périplo que os levará a Marselha para um show final, o da reconciliação.

Em sua primeira atuação, Sadek se saiu muito bem. As melodias que canta durante o filme são como músicas cantadas pelos rappers americanos e as cenas em que se apresenta são bem parecidas com as das obras hollywoodinas em que os negros aparecem em guetos, com seus grupos, entre outras características.

Já Gérard Depardieu, vivendo Serge, um homem solitário e preconceituoso, apenas reforça o quanto esse ator é respeitado por seu talento. Ele não aceita que seu filho tenha se convertido ao Islã e ao saber a origem de Far’Hook, o trata com desdém, esnobando o jovem que não se intimida pelas atitudes do velho. Entretanto, Serge percebe que o rapaz sofre dos mesmos problemas em relação a autoafirmação onde vivem e acaba se identificando com ele, ou seja, todos os imigrantes sofrem as mesmas dificuldades.

A mensagem passada no filme é a de tolerância, que não existe no país. A França vive um momento conturbado, principalmente em relação aos atentados terroristas que ocorreram nos últimos anos. Desta forma, os atores do filme reforçaram que a mensagem do longa não foi muito bem recebida, principalmente pela geração mais jovem do país. Sadek até chegou a alugar uma sala de cinema e levar garotos de seu bairro para assistir ao filme, e, agora, os jovens passaram a ver o tema com outros olhos.

Considerando que a música e a pintura são as motivações do filme, a fotografia do filme é excelente. Muito colorido e com panorâmicas dos pontos turísticos menos explorados da França, o filme fica cada vez mais rico em elementos. A trilha sonora também é encantadora e rejuvenesce a proposta do longa.

O longa traz uma mensagem que nos faz refletir em todo momento e provoca sensações inimagináveis. Desta forma, assista a essa “dramédia” e se delicie com cada atuação.